Jornal do Commercio
CERVEJA

Grupo Petrópolis espera crescer até 4% com ajuda do Nordeste

Empresa comemorou quatro anos no Nordeste e dois anos em Pernambuco

Publicado em 12/10/2017, às 06h05

Fábrica do grupo Petrópolis, em Itapissuma, produz Itaipava e Crystal / Foto: Sérgio Bernardo/JC Imagem
Fábrica do grupo Petrópolis, em Itapissuma, produz Itaipava e Crystal
Foto: Sérgio Bernardo/JC Imagem
Da Editoria de Economia

O grupo Petrópolis espera crescer de 3% a 4% no próximo ano, com uma ajudinha do Nordeste. Isso será possível com a participação das fábricas de Itapissuma, no Grande Recife, e de Alagoinhas, na Bahia, – juntas responsáveis por 48% da produção no País, sendo 23% da planta em Pernambuco. Nesta quarta-feira (11), a empresa comemorou quatro anos no Nordeste e dois anos no Estado, falando sobre possibilidades de expansão.

Desde a inauguração, em 2015, o grupo ampliou a participação de 18,9%, em 2015, para 28,5% em agosto deste ano, no Estado. No Recife, passou de 12,4% para 24,9%. Na região, concentra 20,5% do mercado. “Estamos estudando as possibilidades. Pode ser uma ampliação da fábrica ou a construção de uma nova. Tendo a demanda do consumidor, a gente não hesita em ter uma nova unidade de Centro de Distribuição, por exemplo”, comentou a gerente de Propaganda do Grupo Petrópolis, Eliana Cassandre.

Segundo o gerente Industrial da fábrica, Paulo Hallmann, a ampliação é necessária. No terreno atual, há fazenda de mais de 400 hectares para fazer essa expansão da planta. “Mas não é possível falar em investimento sem ter a certeza do retorno”, comenta.




Galeria de imagens

Legenda
Anteriores
Próximas

Hoje, a fábrica em Itapissuma tem capacidade para produzir 6 milhões de hectolitros por ano, e atende, além de Pernambuco, aos estados de Alagoas, Ceará, Maranhão, Paraíba, Piauí e Rio Grande do Norte. Itaipava e Crystal são os produtos fabricados.

Entre os desafios atuais da empresa na região e proximidades, está o alcance de áreas brancas, onde não há atuação do grupo. Hoje, essas áreas estão localizadas ao Norte do País. “Ainda tem uma carência por conta da distribuição. A gente precisa entender como os estados se comportam”, diz Eliana.

ARENA

Durante o evento, o grupo Petrópolis reafirmou, novamente, que não pretende mais investir em naming rights da Arena Pernambuco. O empreendimento, inicialmente, era chamado como Itaipava Arena Pernambuco, até a rescisão do contrato em 2016, quando recebeu o nome Arena de Pernambuco. Segundo a empresa, a parceria não deu certo, porque a arena não atraiu muitas festas e eventos, que eram previstos como contrapartidas. 


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

#ConexãoPelaVida #ConexãoPelaVida
Há quase dois séculos, o Real Hospital Português mantém a sua atenção voltada para o bem-estar dos pacientes. Conheça um pouco mais sobre a instituição médica que aos 162 não para de se modernizar
Agreste Empreendedor Agreste Empreendedor
O Agreste pernambucano é a região que mais cresce em Pernambuco. E, por incrível que pareça, a força motriz que puxou esse desenvolvimento foi o empreendedorismo.
Envelhecer bem Envelhecer bem
Com eles não tem isso de ficar em casa ou passar boa parte do dia lendo ou na frente da televisão. Não suportam dias monótonos. Eles são muito ativos e encaram qualquer desafio, até porque querem aproveitar a vida da melhor forma possível.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM