Jornal do Commercio
Infraestrutura

Suape precisa mais do que boa localização e infraestrutura

Especialistas internacionais em logística apontam ações para Suape se transformar em um porto de classe mundial

Publicado em 13/03/2018, às 07h00

Professor do MIT, Yossi Sheffi, apontou como foi o desenvolvimento de clusters logísticos no mundo / Foto: Felipe Ribeiro/JC Imagem
Professor do MIT, Yossi Sheffi, apontou como foi o desenvolvimento de clusters logísticos no mundo
Foto: Felipe Ribeiro/JC Imagem
ADRIANA GUARDA

O professor do Centro de Transportes e Logística do Massachusetts Institute of Technology (MIT), Yossi Sheffi, é direto com as palavras: para o Porto de Suape se tornar um cluster logístico de classe mundial precisa ter mais do que uma boa infraestrutura e uma localização geográfica privilegiada. O especialista participou ontem no Recife do seminário Logística e Inovação: uma estratégia para Pernambuco, no Teatro RioMar. Um dos maiores estudiosos do assunto no mundo, Sheffi investigou a implantação de aglomerados logísticos ao redor do mundo e contou o que viu no livro Clusters logísticos. Além de Sheffi, o presidente do Canal do Panamá Jorge Quijano também trouxe a experiência da obra para o avanço do comércio marítimo mundial. O governador Paulo Câmara também marcou presença no evento.

Realizado pelo Cone - Condomínio de Negócios, o encontro reuniu empresários, profissionais do setor de logística e representantes do governo do Estado para discutir a vocação logística de Pernambuco e como a inteligência do Porto Digital pode contribuir para o desenvolvimento de soluções na área. “Não adianta Suape estar um dia mais próximo da África se for 25% mais caro. Nessa minha curta passagem pro Recife ouvi muitas explicações sobre as condições técnicas do porto, mas o que o cliente quer saber é quais são as vantagens comparativas do ponto de vista comercial, como preços, taxas, impostos e tempo de trânsito”, provocou Sheffi.

O professor comparou o preço da movimentação de contêiner entre nos portos de Suape, Santos e o Canal do Panamá. No porto pernambucano a movimentação de um contêiner custa R$ 1 mil, contra R$ 800 em Santos e R$ 300 no Panamá. O presidente do Porto de Suape, Marcos Baptista vez questão de destacar que os preços são parte do “Custo Brasil” e que o porto é mais competitivo na movimentação de outras cargas, como os granéis líquidos (combustíveis, óleos e derivados de petróleo), que representam hoje 74% da movimentação de cargas do complexo.



O especialista destacou alguns fatores que facilitaram a criação de clusters logísticos no mundo. “Estamos falando de geografia, de história-cultura do lugar e de um governo amigável. Foram com base nessas condições que surgiram os clusters de Cingapura, Holanda, Zaragoza, Memphis, Panamá e Chicago”, complementa o especialista do MIT.

CANAL DO PANAMÁ

O executivo Jorge Quijano mostrou como o Panamá, um país com uma população de 4 milhões de pessoas (equivalente a Região Metropolitana do Recife) se transformou em um dos principais corredores do comércio marítimo mundial, a partir da ampliação do Canal do Panamá, inaugurada em junho de 2016. Com a conclusão da obra, os Estados Unidos aumentou o trânsito de produtos pelo Canal, sobretudo contêineres e as cargas de GLP e GNL. Hoje os Estados Unidos são os principais clientes do Canal, com participação de 68%, seguido pela China, Chile, Japão, México e Colômbia.

“A decisão da rota dos navios é dos armadores. Hoje acreditamos que Fortaleza (Porto de Pecém) teria mais condições de receber os navios que atravessam o Canal do Panamá do que Suape, que está mais no centro da costa brasileira. Mas o porto pernambucano tem potencial por sua condição de infraestrutura, mas pode melhorar agregando outros modais como a ferrovia”, defende Quijano. O governador destacou a importância do debate para discutir o futuro do Estado.


Recomendados para você


Comentários

Por Edu,16/03/2018

Sebastião, concordo com você no que diz respeito ao excesso de orgulho do povo pernambucano, os governos precisam entender isso e trabalhar mais que o estado ofereça as condições adequadas para os investimentos, como eu acho que vem sendo feito com mais eficiência no Ceará, ao invés de ficar perpetuando discursos utópicos. Sou pernambucano, adoro o Recife, mas a prefeitura não pode enganar ninguém com essa campanha de "Capital do Nordeste", somos melhores em quê? Pelo que sei perdemos em PIB para Fortaleza e Salvador, recebemos menos turistas do que essas cidades e temos muitos problemas que já deveriam estar resolvidos ou melhorados. Um exemplo: quando saímos do aeroporto do Recife e nos deparamos com uma avenida mal cuidada, com canteiros quebrados e asfalto sem marcações na pista, isso é uma imagem que condiz com uma capital do NE? Com certeza não é. Em outros locais como a Av. Recife a iluminação é antiga e muito fraca, facilitando a ação de criminosos. Enfim, é melhor baixar a bola, melhorar realmente a cidade, mostrar fatos e números comparativos, para depois poder dizer merece o referido título.

Por Sebastião,13/03/2018

O especialista falou em governo amigável como fator de implementação de um Hub Porto. Pernambuco com o PSB não tem governo amigavel. O PSB quer fazer aliança com o PT da Dilma Vana que prejudicou SUAPE, o próprio governador admite que a Dilma Vana prejudicou SUAPE. Como é que agora o Partido quer se unir ao PT? Quando Temer vinha ao Recife devolver a autonomia de SUAPE o governador barrou TEMER. Ou seja, Pernambuco está sequestrado pelo PSB que usa o Estado eo Porto de SUAPE eleitoralmente como um curral. Isso é governo amigavel do ponto de vista empresarial? Não. Os empresarios querem distancia da Politica por causa dessas coisas. É preciso privatizar SUAPE. PECEM no Ceará, é publiico ou é privado? Lá o governo é do PT mas é amigavel, não se mete com o Porto. Aqui o Porto de SUAPE serve aos interesses politicos. Como o empresariado vai investir num lugar desses?

Por Sebastiao ,13/03/2018

Os pernambucanos pensavam que iam enganar o palestrante dizendo que SUAPE é o maior do mundo. Os pernambucanos acham Suape o maior porto do Mundo. Apanharam na cara. Pecem, do Ceará, tem mais condições por causa da sua localizacao estrategica, disse o americano. O americano estava já visivelmente irritado com o ufanismo pernambucano. Ora Suape tem preco elevado. Os pernambucanos só ficam falando da excelência do Porto e esquecem de cuidar do princípal. Estrada. O gargalo doPosto Fiscal de Xexeu. O alto custo de Suape. O pior é ver o Prefeito contratar marqueteiro para fazer campanha dizendo que o Recife é a Capital do Nordeste. Isso só serve para politico enganar o eleitorado pernambucano que acha que Pernambuco é o maximo. Pernambuco é bom, sim, tem historia, tem cultura, mas isso importa para o empresario? Empresario quer estrada, seguranca. Pernambuco tem PIB que supera e muito o do Ceará. Mas se o pernambucano ficar contando vantagem, vivendo de fanasia, será superado. Alem do mais esse negocio de a Prefeitura fazer campanha dizendo que o Recife é a Capital do Nordeste gera antipatia com os demais Estados Nordestinos.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Vidas Compartilhadas Vidas Compartilhadas
O JC apresenta o mundo da doação e dos transplantes de órgãos pelas vozes de pessoas que ensinam, mesmo diante das adversidades, a recomeçar a vida quantas vezes for preciso.
JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM