Jornal do Commercio
Movimentação

Comércio ainda vê clima tímido nas vendas para a Copa do Mundo

Poucas lojas no centro do Recife estão com itens a venda visando a Copa do Mundo de 2018

Publicado em 14/05/2018, às 21h34

Uma das exceções no Centro do Recife, loja na Rua das Calçadas está com produtos para a Copa desde janeiro / Leo Motta/JC Imagem
Uma das exceções no Centro do Recife, loja na Rua das Calçadas está com produtos para a Copa desde janeiro
Leo Motta/JC Imagem
JC Online

A 31 dias para a abertura da Copa do Mundo, o clima no Centro do Recife ainda é tímido quando o assunto é o Mundial que será disputado na Rússia. Andando pelo bairro do Recife Antigo, nesta segunda-feira (14), em conhecidas zonas de comércio da cidade, como o Mercado de São José, a Avenida Dantas Barreto e a Rua das Calçadas, são poucas as lojas na cidade que já estão com produtos voltados para o torcedor se preparar para acompanhar as partidas da seleção brasileira. De acordo com alguns lojistas ouvidos pela reportagem, esses itens só deverão ser vistos com maior frequência no mês de junho, às vésperas da bola rolar nos gramados do país europeu.

Gerente de uma loja localizada na Dantas Barreto, Patrícia Veloso Farias afirmou que o local onde trabalha já está vendendo produtos voltados para a Copa do Mundo, como buzinas, bandeiras e chapéus, há cerca de duas semanas. No entanto, a procura na loja ainda tem sido baixa. Algo que tem sido comum em todo o ano. “No início de maio a gente já começou a trazer alguns produtos, mas a saída na loja ainda tem sido um pouco baixa. Desde o início do ano que o movimento vem fraco, no feriado do Dia das Mães a gente vendeu menos do que o esperado”, conta.

Patrícia, no entanto, conta que a procura de alguns produtos já sofreu um leve crescimento com a divulgação da lista dos 23 jogadores que irão para a Copa do Mundo. “Hoje, com a convocação, a gente já começou a vender um maior número de bandeiras. A gente tá esperando o início dessa expectativa maior com a Copa do Mundo para começar a vender mais. Mas acredito que isso só deva acontecer em junho”, concluiu.



Situação melhor em outra loja

Em outro estabelecimento, na Rua das Calçadas, a situação é diferente. De acordo com a vendedora Graça Alves, a loja onde trabalha já está vendendo os seus produtos desde janeiro, o que ajudou a aumentar o número de vendas.

“Desde janeiro, antes do Carnaval, a gente montou uma parte da loja só com produtos para a Copa. E estamos vendendo bem, muito por conta dos adereços comprados para a decoração de lojas e empresas. Vendemos mais produtos por conta da Copa do que para o Dia das Mães ou o São João, por exemplo. A gente já tá vendendo mais do que esperado. A expectativa é aumentar com os jogos, quando tiver próximo da seleção entrar, até por ser uma das favoritas”, declarou.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva
Rodoviários: ''máquinas'' sem manutenção Rodoviários: ''máquinas'' sem manutenção
Carga horária excessiva, más condições de trabalho, terminais sem estrutura apropriada e os riscos ocupacionais aos quais estão submetidos. O transporte rodoviário está em quarto lugar entre as profissões com mais com comunicações de acidentes de trabalh
#UmaPorUma #UmaPorUma
Existe uma história para contar por trás de cada assassinato de mulher em Pernambuco. Uma por uma, vamos contar todas. Mapear onde as mataram, as motivações do crime, acompanhar a investigação e cobrar a punição dos culpados. Um banco de dados virtual.

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM