Jornal do Commercio
RÚSSIA

Jogo de abertura da Copa do Mundo marcado por zebras

As partidas iniciais dos Mundiais já contaram com resultados surpreendentes

Publicado em 14/06/2018, às 09h09

A derrota da Argentina para Camarões na abertura da Copa do Mundo de 90 foi uma das zebras  / Reprodução / Internet
A derrota da Argentina para Camarões na abertura da Copa do Mundo de 90 foi uma das zebras
Reprodução / Internet
Leonardo Vasconcelos

Tensão e responsabilidade. Os jogos de abertura de Copas do Mundo historicamente são carregados por esses dois fatores. Tanto que muitas vezes eles pesam tanto que acabam acontecendo as famosas zebras. A pressão por fazer a partida inicial de um Mundial é tão grande que algumas vezes até seleções tradicionais decepcionam.

No Mundial de 1974, na Alemanha, quando pelo regulamento da Fifa o campeão começou a abrir a competição, o Brasil, que tinha sido tricampeão quatro anos antes, no México, mediu forças com a Iugoslávia e, em jogo fraco tecnicamente, ficou no empate sem gols. O 0x0 também marcou o confronto inaugural na Copa do Mundo de 1978, entre a Polônia e a Alemanha, atual campeã.

MALDIÇÃO

Mas a chamada “maldição” do jogo de abertura começou pra valer com a Argentina, comandada por Maradona, na Copa de 1990, na Itália. Diante de um Estádio Olímpico lotado, em Roma, os argentinos, campeões em 1986, sentiram o peso dos Leões Indomáveis. Mesmo tendo dois jogadores expulsos, Camarões de forma heróica bateu a Argentina por 1x0, gol de Omam Biyick.
“Eles jogavam um futebol alegre e bonito e nós mesmos ficamos encantados. Não dava para ganhar aquele jogo de forma alguma” disse Maradona quatro anos depois, quando se preparava para o Mundial dos Estados Unidos. Os camaroneses só pararam diante da Inglaterra, nas quartas-de-final.



O fantasma do jogo inicial do Mundial voltou a assombrar novamente no Mundial de 2002, sediada pelo Japão e Coréia do Sul. A então vítima foi uma seleção que tinha todas as credenciais possíveis para fazer um grande jogo e espantar de vez o estigma de zebras nas partidas de abertura. Na ocasião, a badalada atual campeã mundial França, que ainda era campeã europeia e tinha vencido a Copa das Confederações.

Ela estreou como franca favorita ao título diante do limitado Senegal, que fazia a sua primeira participação em mundiais. Todavia, aos 30 minutos do primeiro tempo, Papa Bouba Diop marcou o gol da surpreendente vitória senegalesa por 1x0. Os africanos avançaram até as quartas-de-final e foram eliminados pela Turquia.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

As Paixões de José Pimentel, o eterno Jesus As Paixões de José Pimentel, o eterno Jesus
O JC preparou um hotsite especial em homenagem ao ator e diretor Jose Pimentel, o eterno Jesus Cristo do teatro pernambucano
Nordeste Renovável Nordeste Renovável
Com a força dos ventos e a incidência solar, o Nordeste desponta como oásis. Não só para o turismo, nem apenas no Litoral. Na geração de energia sustentável está a nova fonte de riqueza da Região, principalmente no interior
Vidas Compartilhadas Vidas Compartilhadas
O JC apresenta o mundo da doação e dos transplantes de órgãos pelas vozes de pessoas que ensinam, mesmo diante das adversidades, a recomeçar a vida quantas vezes for preciso.

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM