Jornal do Commercio
Apoio

Em estado de abandono, Maracanã pede socorro

Estádio que sediou duas finais de Copa do Mundo vem sofrendo com invasões e vandalismo

Publicado em 12/01/2017, às 07h03

Maracanã se encontra em péssimo estado
 / Fabio Motta/ Estadão
Maracanã se encontra em péssimo estado
Fabio Motta/ Estadão
JC Online

Palco de duas finais de Copa do Mundo. Da estreia de Pelé pela seleção brasileira. Do milésimo gol do Rei do Futebol. Dos dribles de Garrincha e das vozes de ícones da música como Frank Sinatra e Paul McCartney, entre outros eventos marcantes, o Maracanã pede socorro. 

O estádio mais icônico do futebol brasileiro e um dos mais charmosos do mundo vive o retrato atual do abandono e é tratado como um fardo pelas autoridades. O gramado, mesmo visto de longe, assusta bastante. 

Mesmo após a reforma para a Copa do Mundo de 2014, que custou mais de R$ 1,3 bilhão, o palco de grandes espetáculos (não só de futebol) virou alvo de vandalismo, com equipamentos e materiais sendo furtados. Isso porque o Governo do Rio de Janeiro e o consórcio que administra a Arena não querem assumir os custos da manutenção do estádio, que estava sob gestão do Comitê Rio-2016 para as Olimpíadas.

Um dos grandes motivos do abandono é a ausência de jogos sediados no Maracanã. O Flamengo, que mandaria os principais jogos de 2017 no estádio, vive um imbróglio judicial. A direção rubro-negra, inclusive, afirmou que não fará mais partidas no Maracanã caso a empresa BWA passe a administrar o local. 

Os furtos que têm sido registrados no Maracanã, e que incluíram até mesmo o busto do jornalista Mario Filho, que dá nome ao estádio no Rio, eram uma preocupação que vinha desde o primeiro semestre do ano passado. É o que demonstra um documento de 15 de junho de 2016 encaminhado pela concessionária que administra a arena ao governo do Estado do Rio de Janeiro e ao Comitê Rio-2016. Segundo a Maracanã S.A., o acervo era de responsabilidade do Estado.

A CARTA

Logo em sua primeira página, a carta pedia a “designação de servidor e adoção de providências concretas” para a retirada do material. O documento lembra que o Maracanã estava cedido de modo exclusivo ao Comitê Rio-2016 desde 1º de março do ano passado e, de acordo com o Termo de Autorização de Uso (TAU), todas as áreas do estádio eram de responsabilidade do Rio-2016.

Mas, no item IV, alerta que “o acervo histórico e outros bens de titularidade da Suderj (Superintendência de Desportos do Estado do Rio) permanecem guardados, durante o contrato, em algumas salas da área cedida, sob a responsabilidade da Suderj”.

A carta relata sucessivas solicitações da concessionária à superintendência para retirada do material, o que não aconteceu. A Casa Civil do Rio alegou que irá adotar as medidas legais e contratuais cabíveis relativas aos furtos. Ainda de acordo com a Casa Civil, o Complexo Maracanã, conforme contrato vigente, está sob responsabilidade da Concessionária Maracanã S.A.

Palavras-chave

Recomendados para você


Comentários

Por Barbosinha,12/01/2017

Eis aí o legado da FAMIGERADA copa no Brasil. Aqueles que a defenderam e lutaram para sua realização deveriam arcar com todos esses INCOMENSURÁVEIS PREJUIZOS. Mas aonde "quebra o pau"? Nas nossas costas, POBRE POVO BRASILEIRO, outrora BRAVA GENTE...não ficaram satisfeitos com PAN e COPA, e ainda inventaram OLIMPÍADA, ENRIQUECENDO MUITA GENTE...



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM