Jornal do Commercio
Atlético de Madrid

Sindicato de jogadores da França comemora 'fico' de Griezmann

Atacante francês segue no time espanhol em 2018 por causa da punição ao clube

Publicado em 07/06/2017, às 14h54

Griezmann não vai sair devido a punição imposta ao Atlético de não contratar jogadores em 2018 / AFP
Griezmann não vai sair devido a punição imposta ao Atlético de não contratar jogadores em 2018
AFP
AFP

Sylvain Kastendeuch, co-presidente da UNFP, sindicato de jogadores franceses, comemorou nesta quarta-feira a "ação exemplar de "Antoine Griezmann", que decidiu permanecer no Atlético de Madrid, depois que o Tribunal Arbitral do Esporte (TAS) confirmou a proibição ao clube espanhol de contratar novos jogadores até janeiro de 2018.

"Griezmann decidiu ajudar sua equipe, pensou nos outros antes de pensar em si. Se colocou a serviço do coletivo, como deve fazer um bom jogador em campo", elogiou Kastendeuch.

"Antoine está mais rico hoje, mas esta riqueza não se mede em dinheiro", completou.

Em entrevista à emissora francesa TF1, Antoine Griezmann afirmou que iria "ficar pela a próxima temporada" no Atlético de Madrid, depois de muito suspense sobre uma possível saída.



"A decisão do TAS (Tribunal Arbitral do Esporte) foi dada. O Atlético não pode contratar. Com meu conselheiro esportivo, Eric Olhats, decidimos ficar. É um momento difícil para o clube. Seria sacanagem sair agora. Conversamos com os dirigentes e vamos ficar na próxima temporada", explicou.

A pena

O TAS, mais alta instância jurídica do esporte, manteve nesta semana a proibição de contratar novos jogadores contra o Atlético, até janeiro de 2018. O clube espanhol foi punido pela Fifa por infringir as regras de transferências de atletas menores de idade.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM