Jornal do Commercio
FUTEBOL

Recife Bom de Bola promove disputa de futebol de várzea

Campeonato vai reunir 8 mil atletas de 387 clubes de todos os bairros da capital

Publicado em 12/08/2017, às 18h34

O lançamento do Recife Bom de Bola aconteceu no campo do Quartel do Derby. / Ashlley Melo/JC360
O lançamento do Recife Bom de Bola aconteceu no campo do Quartel do Derby.
Ashlley Melo/JC360
JC Online

O campo de futebol do Quartel do Derby, na área central da cidade, foi o local escolhido, neste sábado (12), para a primeira partida do Recife Bom de Bola, campeonato de futebol de várzea realizado pela Prefeitura do Recife. A competição vai reunir 387 times dos 94 bairros da capital, com 8 mil atletas inscritos em sete categorias. Os jogos serão disputados até a primeira quinzena de dezembro e duas partidas das finais vão acontecer na Arena de Pernambuco, em São Lourenço da Mata.

Na abertura oficial do Recife Bom de Bola, a secretária executiva de Esportes, a pentatleta Yane Maques, procurou levar um pouco da experiência como atleta e destacou a importância do fair play entre os jogadores. "A gente não gosta muito de perder, mas, às vezes, não é aceitar a derrota, mas é reconhecer que o seu adversário foi melhor naquele dia. Todo mundo aqui joga muita bola, mas espero que o campeão seja de verdade o melhor com justiça", destacou Yane Marques.

Serão quase 500 jogos disputados em 30 campinhos de várzea espalhados pelas capital. Todos devem receber algum tipo de melhoria até o dia 20 de agosto. Duas partidas da final serão realizadas na Arena de Pernambuco, palco da Copa do Mundo e da Copa das Confederações, por meio de uma parceria da Prefeitura do Recife com o Governo do Estado. "Falar de esporte é falar de inclusão. Quando você tem um evento dessa magnitude, com equipes de todos os bairros do Recife, a gente mostra o poder público preocupado em dar oportunidade de lazer", destacou o secretário de Turismo, Esportes e Lazer do Governo de Pernambuco, Felipe Carreras.


Galeria de imagens

Legenda
Anteriores
Próximas

O homenageado da competição é o ex-jogador Francisco Souza do Nascimento, mais conhecido como Chiquinho. O atleta, que jogou pelo Sport e chegou a ser convocado para a seleção brasileira, lembrou aos meninos e meninas que também foi descoberto em uma competição de futebol semelhante. "Sonhem. Um dia eu sonhei, assim como vocês, e consegui jogar em grandes clubes. O esporte transforma vidas e eu sou uma prova disso. Um garoto que morava numa favela em Rio Doce, em Olinda, e que tinha o sonho de jogar futebol", disse.



Durante o campeonato, olheiros do Sport, Santa Cruz e Náutico vão acompanhar as partidas e escolher nove jogadores para um período de três meses de testes nos clubes. Os cinco destaques na categoria sub-17 também vão ganhar bolsas de estudo em uma faculdade particular.

Com a bola já rolando, os times do sub-15 do Grêmio Recreativo UR-7/Várzea e Juventude de Roda de Fogo fizeram a primeira partida do torneio. Os meninos da UR-7/Várzea venceram com facilidade por 4x1.

Cobertura

Os veículos do Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC) vão trazer as principais notícias do Recife Bom de Bola, durante toda as semanas, até o fim da competição. "A gente tem esse projeto também como nosso, então nós cobrimos dentro do nosso jornalismo e também do Replay, falando como está o andamento do campeonato. E nós terminamos o Recife Bom de Bola com transmissões ao vivo dos últimos jogos", destaca o gerente comercial da TV jornal, Felipe Menezes.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Educação, emprego e futuro Educação, emprego e futuro
Investir em educação é um pressuposto para o crescimento econômico, a geração de empregos e o aumento da renda. Aos poucos, empresas dos mais variados setores entram numa engrenagem antes formada apenas pelo poder público.
Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM