Jornal do Commercio
Terceira Divisão

A dura realidade que aguarda Santa e Náutico na Série C

Jogar a Terceira Divisão significa ficar sem cota televisiva, ter orçamento enxuto, além de longas viagens de ônibus

Publicado em 13/11/2017, às 06h30

Dificuldades financeiras e de logística aguardam Náutico e Santa Cruz na Terceira Divisão / Guga Matos/JC Imagem
Dificuldades financeiras e de logística aguardam Náutico e Santa Cruz na Terceira Divisão
Guga Matos/JC Imagem
Filipe Farias
esportes@jc.com.br

Se para os clubes que disputam a Série B, o acesso à Primeira Divisão é o céu, a queda para a Terceirona é o inferno. Infelizmente, a segunda opção vai ser a dura realidade de Náutico e Santa Cruz em 2018. Alvirrubros e tricolores foram matematicamente rebaixados no último sábado (11), após perderem para Londrina (2x1) e Boa Esporte (4x2), respectivamente, e vão jogar a Série C no ano que vem. O Timbu, que bateu na trave nas duas últimas temporadas, terminando a Segundona na 5ª colocação em 2015 e 2016, este ano despencou para a Terceira Divisão. Já o Santa, estava na elite em 2016 e amarga o segundo descenso consecutivo.

Jogar a Série C significa ficar sem cota televisiva, ter orçamento enxuto e ainda mais dificuldade para montar um elenco competitivo, além de longas viagens de ônibus, jogar em estádios modestos e enfrentar adversários regionalizados (ver quadro abaixo). A nova realidade do Timbu e da Cobra Coral assusta. Mas, diante dos pecados cometidos, a saída é aceitar a punição de jogar numa divisão inferior, e fazer tudo diferente para receber o perdão e a graça de subir no próximo ano.

EXPERIÊNCIAS

Um clube que conhece bem a Terceira Divisão é o Fortaleza. Foram longos e torturantes oito anos lutando até conquistar o acesso à Segundona. Para o presidente do tricolor cearense, Marcelo Paz, a maior dificuldade que os alvirrubros e tricolores terão será o de aceitar a nova condição do clube. “Às vezes demora um tempo para entender como a competição funciona. É um jogo mais pegado. Por isso, é preciso formar um elenco com o perfil da Série C. Deixar de lado jogadores de nomes e trazer atletas emergentes. Isso com um orçamento enxuto, pois não tem cota de televisionamento. Os recursos precisam vir da bilheteria dos jogos, sócios, patrocínios, vendas de camisas e outras ações do clube”, alertou Paz.



Gerente de futebol do Náutico por duas vezes (entre 2011 e 2015), Carlos Kila, atual executivo do Joinville ressalta sobre as longas jornadas para jogar fora de casa e as condições adversas que é preciso superar. “A dificuldade de logística é enorme. A CBF só disponibiliza passagens aéreas quando jogamos a mais de 700km de distância. Se for mais perto, a viagem é de ônibus. Além disso, só temos direito a duas diárias com alimentação. Passou disso, o clube que arca com a despesa. Já fomos para cidades que não tinham hotel em condições ideais para receber a delegação inteira, estádios com vestiários sem a menor condição, gramados péssimos”, comentou Kila.

Com relação à competitividade da Terceirona, o experiente Marcos Tamandaré, do Salgueiro, que será o terceiro pernambucano na competição em 2018, acredita que a dupla vai sofrer um pouco para se acostumar com a competição. “Já joguei a Série C uns quatro anos. É um campeonato muito difícil, os adversários têm muita pegada. Cada jogo é uma guerra”, falou o lateral-direito do Carcará.

 


Palavras-chave

Recomendados para você


Comentários

Por tricolor,13/11/2017

este cesar deve ser torcedor do timão(ex-porti) que vai descer na b, e mostrar que todos os pernambucanos caíram.

Por ismael barbosa campos,13/11/2017

Aqui na minha cidade tem um empresário que tem uma frota de carroça com tração animal precisando!.

Por Cesar,13/11/2017

Cota de TV tem sim, o EI/EIMAX tem transmitido os jogos da série C, e acredito que paguem cotas aos clubes, pode não ser muita coisa, mas para esses timinhos que estão lá, tá ótimo!!!



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM