Jornal do Commercio
Náutico

Timbu é atropelado pelo Fortaleza

No Presidente Vargas, em Fortaleza, o Náutico caiu por 4x0 pela primeira partida entre os nordestinos pela Copa do Brasil

Publicado em 12/04/2012, às 23h01

Do JC Online

O Náutico foi uma presa fácil do Fortaleza, nesta quinta-feira, no Estádio Presidente Vargas, na capital cearense, no primeiro encontro entre os adversários nordestinos pela Copa do Brasil. Com direito a “olé” e, novamente, mostrando sérias dificuldades para jogar futebol, o Timbu foi goleado por 4x0. Na gíria do futebol, foi atropelado. Não fosse o goleiro Gideão, a coisa poderia ter sido pior. No confronto da volta, na próxima semana, nos Aflitos, o Timbu tem de ganhar, levando em consideração a conta mais simples, por 5x0. Com a derrota vexatória, a pressão aumenta, e o anúncio do novo técnico deve ser acelerado. O nome de Alexandre Gallo está bem forte entre os diretores.

Esqueça o discurso que falava sobre “felicidade de jogar” e “partida para mudar a fase”. No PV, parecia que os alvirrubros haviam esquecido as entrevistas do período “pré-Fortaleza”. Com um início avassalador dos cearenses, o Náutico só viu o Fortaleza jogar. De frente a uma marcação descompactada, os cearenses aproveitavam para tocar a bola. Era na troca de passes que conseguiam envolver os timbus de forma desconcertante.

Ao conquistar a bola, o Náutico mostrou os mesmos erros de sempre. O meia Eduardo Ramos não fluía, o atacante Siloé estava sempre sozinho na frente e Dorielton, o homem que deveria ser mais agudo, incisivo, era peça meramente ilustrativa. Não podia deixar de ser, o gol do Fortaleza parecia uma questão de tempo. E foi.

Aos 15 minutos, Rafinha recebeu na área. Teve tempo de parar, girar e tocar por cima de Gideão. Três minutos depois, Cleo acertou a trave, a bola subiu, e Jailson, ex-Santa Cruz e Sport, entrou com tudo, de cabeça: 2x0. Com o placar favorável, o Fortaleza se retraiu, e o Náutico passou a atacar mais. No seu melhor lance, fez um gol com Dorielton, mas o assistente marcou impedimento. Antes, os alvirrubros reclamaram um pênalti. E só.

O Náutico voltou mais animado. Com a velocidade de Siloé, procurou abrir os espaços. O Fortaleza aceitou de vez a tática de ficar na espera por um erro dos alvirrubros para tentar definir o encontro. A partida ficou perigosa para o Timbu, que tinha a necessidade vital de ir para cima e marcar, pelo menos, um gol e decidir o encontro nos Aflitos.
O problema era a pouca efetividade dos pernambucanos. Tanto que mesmo melhores, foram do Fortaleza, com Cleo e Wesley, as melhores chances. O goleiro Gideão fez ótimas intervenções.

Os cearenses tanto tentaram, que fizeram. Jailson recebeu na área e foi derrubado por Jefferson: pênalti. Geraldo cobrou com categoria, aos 23, e fez 3x0. Logo depois, Marlon recuou uma bola errada, Cleo tocou para vencer Gideão e festejar. Os 10 minutos finais mostraram um Fortaleza senhor total das ações e um Náutico amedrontado. Todo atrás, para evitar o quinto gol. Pelo menos, isso os alvirrubros conseguiram.

OUTROS JOGOS
Também ontem, pelos jogos da volta, Atlético-PR 5x1 Criciúma e Portuguesa 4x0 Juventude. Assim, o Furacão e a Lusa estão classificados às oitavas do torneio.




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM