Jornal do Commercio
DEVER DE CASA

Jogadores do Náutico vão estudar o Sport na Copa do Brasil

O rubro-negro será o adversário do Timbu no próximo domingo, pelas semifinais do Pernambucano

Publicado em 12/04/2017, às 06h42

Náutico e Sport se enfrentaram duas vezes em 2017: um empate e uma vitória dos alvirrubros / Foto: JC Imagem
Náutico e Sport se enfrentaram duas vezes em 2017: um empate e uma vitória dos alvirrubros
Foto: JC Imagem
Filipe Farias
Twitter: @_filipefarias

Nem mesmo o fato de ainda não ter perdido para o Sport em 2017 (uma vitória e um empate) faz com que o Náutico acredite que já conhece o suficiente sobre o time leonino – adversário nas semifinais do Pernambucano. Por isso, além do treinamento que será realizado na manhã desta quarta-feira, no CT Wilson Campos, os jogadores alvirrubros receberão um dever de casa: assistir à partida do rubro-negro diante do Joinville, à noite, pela Copa do Brasil.

 

 

“Milton (Cruz) já nos passa isso. Temos de acompanhar as partidas dos adversários para conhecer um pouco mais como eles jogam. E, amanhã (quarta-feira), teremos essa oportunidade de ver o Sport atuando”, contou o meia Dudu.



OUTRA COMPETIÇÃO

Desde a chegada de Milton, o Náutico só conheceu o sabor da derrota uma única vez, contra o Salgueiro, no Sertão. Quando se trata de clássicos, o retrospecto alvirrubro sob o comando do novo treinador é ainda melhor: três vitórias e apenas um empate. Contudo, os jogadores timbus têm noção de que esses números nada importam nessa fase da competição.

“Lógico que essas vitórias em clássicos nos deram uma confiança, mas agora é um campeonato à parte. Nas finais a emoção é maior, tem muitos detalhes e precisamos entrar em campo focados e determinados. Tenho certeza que serão duas partidas bem difíceis”, analisou.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM