Jornal do Commercio
DENÚNCIA

Náutico pede esclarecimentos à PM por agressões a torcedores

Em seu site oficial, clube emitiu solicitação de esclarecimentos e repudiou ação da Polícia Militar no clássico contra o Santa

Publicado em 12/04/2017, às 03h06

Torcedora teria inalado gás de pimenta durante confusão em clássico / Foto: Divulgação
Torcedora teria inalado gás de pimenta durante confusão em clássico
Foto: Divulgação
JC Online

Através de seu site oficial, o Clube Náutico Capibaribe pediu esclarecimentos à Polícia Militar de Pernambuco (PMPE) sobre agressões gratuitas relatadas por torcedores durante o clássico contra o Santa Cruz, que ocorreu na segunda-feira (10). A nota relata que, durante uma busca por um integrante de torcida organizada, o Batalhão de Choque teria utilizado força excessiva e, a golpes de cassetete, gerado correria entre torcedores alvirrubros.

A ação da PM denunciada pelos torcedores foi repudiada pelo clube, que também afirmou compreender a necessidade de "métodos mais ríspidos" para controlar "delinquentes infiltrados" nas organizadas, mas que estas ações truculentas estariam, também, atingindo "as famílias que ainda vão ao estádio". O texto também relata o caso de uma torcedora submetida a atendimento médico por ter inalado gás de pimenta durante outra confusão no mesmo clássico. A polícia teria utilizado o gás, que se espalhou por toda a arquibancada, atingindo pessoas que não estariam envolvidas em brigas.

O clube afirmou ainda que, numa partida de futebol, provocações existiriam dos dois lados, mas que a PM estaria agindo de forma exagerada contra os alvirrubros.

Leia a nota na íntegra:

O Clube Náutico Capibaribe vem por meio desta nota solicitar um esclarecimento por parte da Polícia Militar a respeito do comportamento mais uma vez excedido do Batalhão de Choque contra os torcedores alvirrubros nas arquibancadas dos estádios de futebol de Pernambuco.



No jogo da última segunda-feira (10), entre Náutico e Santa Cruz, no estádio do Arruda, imagens registraram o momento em que os policiais em busca de um integrante da torcida organizada diferem golpes de cacetetes, sem que ele tenha esboçado nenhum tipo de reação, provocando tumulto e correria entre os demais torcedores a sua volta.

Repudiamos com veemência esse tipo de atitude, não só com os alvirrubros, como também com os adversários. Precisamos dar um basta na violência no futebol, e acreditamos que a Polícia Militar pode ser um dos nossos grandes aliados nessa difícil missão.

Em uma partida de futebol, gritos de guerra e provocações existem dos dois lados, no entanto, cenas desse tratamento exagerado vem se repetindo sempre com os alvirrubros. O Clube entende a necessidade de métodos mais ríspidos para controlar os delinquentes infiltrados dentro das torcidas de futebol, porém, a reação truculenta dos policiais está atingindo também as famílias que ainda vão ao estádio. Prova disso é que nesse mesmo jogo uma torcedora alvirrubra, sem qualquer envolvimento com alguma confusão, precisou ser atendida por ter inalado gás de pimenta, que foi espalhado por toda a arquibancada.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM