Jornal do Commercio
FRAGILIDADE

Náutico preocupado com as bolas aéreas do Sport

Os três gols rubro-negros saíram após bolas alçadas na área alvirrubra

Publicado em 18/04/2017, às 06h42

Nirley (D) revela que Milton Cruz já conversou com ele sobre a possibilidade de jogar com três zagueiros / Foto: Léo Lemos/ Náutico
Nirley (D) revela que Milton Cruz já conversou com ele sobre a possibilidade de jogar com três zagueiros
Foto: Léo Lemos/ Náutico
Filipe Farias
Twitter: @_filipefarias

As bolas aéreas do Sport foram, de fato, uma dor de cabeça para o time do Náutico na primeira semifinal do Pernambucano. Isso porque todos os gols rubro-negros surgiram após a bola ter sido alçada para dentro da área alvirrubra, domingo (16), na Ilha do Retiro.

Uma fragilidade que o técnico Milton Cruz vai precisar corrigir durante a semana, já que a equipe leonina vem explorando bastante essas jogadas desde a chegada de Ney Franco, sempre visando o atleta melhor posicionado para finalizar mais próximo ao gol. “O time do Sport é muito bom nessa bola aérea. Tem jogadores altos e que atacam bem a bola”, comentou o zagueiro Nirley, que foi acionado no decorrer do segundo tempo.

Apesar dos gols sofridos depois de cruzamentos na pequena área, o Náutico está longe de ser um time baixo. O sistema defensivo que atuou no clássico de domingo (a linha de quatro mais os dois volantes) tinha uma média de altura de 1,82 m. Porém, para a partida de volta, a estatura da zaga alvirrubra pode aumentar, já que Giovanni (1,82 m) deve retornar no lugar de João Ananias (1,74 m).



“Giovanni teve um problema estomacal e ajudaria muito Manoel daquele lado. Vamos ver durante a semana como ele vai estar”, falou Milton após o clássico, lamentando a ausência do lateral-esquerdo de origem, mas que vem atuando no meio de campo com o novo técnico.

TRÊS ZAGUEIROS

Uma possibilidade para tentar amenizar esse problema defensivo seria a utilização de três zagueiros. O próprio Cruz revelou, ao final do clássico contra o Tricolor, no Arruda, que estava pensando em usar o 3-5-2. “Contra o Santa, ele (Milton) conversou conosco durante o intervalo e disse que havia essa possibilidade, porque Manoel tinha levado amarelo e poderia me colocar no time e Giovanni passar para ala. Já contra o Sport, eu entrei, mas Milton preferiu adiantar Páscoa de volante porque ele já tinha atuado ali”, explicou Nirley (1,85 m).

Caso o treinador opte por esse esquema, o zagueiro não vê problema com a mudança tática. “Na época que estava no Americano-RJ, sempre jogava com três zagueiros. Inclusive, disputei dois Cariocas nesse esquema. Se Milton optar por jogar assim estou preparado”, disse.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Recife em Transformação Recife em Transformação
A cidade e o desafio de traçar o seu futuro
Zika em mil dias Zika em mil dias
Já se passaram quase 2 anos e meio desde que o JC anunciou a explosão de casos de recém-nascidos com microcefalia. Muitas dessas crianças já completaram os seus primeiros mil dias de vida. Famílias e especialistas revelam o que aconteceu nesse período
Logística e inovação Logística e inovação
Você sabe o que é logística? Ela parece invisível, mas está presente no nosso dia a dia, encurtando distâncias. Quando compramos uma maçã no supermercado, muitas vezes não nos damos conta do caminho que percorreu até chegar a nossas mãos

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM