Jornal do Commercio
FRAGILIDADE

Náutico preocupado com as bolas aéreas do Sport

Os três gols rubro-negros saíram após bolas alçadas na área alvirrubra

Publicado em 18/04/2017, às 06h42

Nirley (D) revela que Milton Cruz já conversou com ele sobre a possibilidade de jogar com três zagueiros / Foto: Léo Lemos/ Náutico
Nirley (D) revela que Milton Cruz já conversou com ele sobre a possibilidade de jogar com três zagueiros
Foto: Léo Lemos/ Náutico
Filipe Farias
Twitter: @_filipefarias

As bolas aéreas do Sport foram, de fato, uma dor de cabeça para o time do Náutico na primeira semifinal do Pernambucano. Isso porque todos os gols rubro-negros surgiram após a bola ter sido alçada para dentro da área alvirrubra, domingo (16), na Ilha do Retiro.

Uma fragilidade que o técnico Milton Cruz vai precisar corrigir durante a semana, já que a equipe leonina vem explorando bastante essas jogadas desde a chegada de Ney Franco, sempre visando o atleta melhor posicionado para finalizar mais próximo ao gol. “O time do Sport é muito bom nessa bola aérea. Tem jogadores altos e que atacam bem a bola”, comentou o zagueiro Nirley, que foi acionado no decorrer do segundo tempo.

Apesar dos gols sofridos depois de cruzamentos na pequena área, o Náutico está longe de ser um time baixo. O sistema defensivo que atuou no clássico de domingo (a linha de quatro mais os dois volantes) tinha uma média de altura de 1,82 m. Porém, para a partida de volta, a estatura da zaga alvirrubra pode aumentar, já que Giovanni (1,82 m) deve retornar no lugar de João Ananias (1,74 m).



“Giovanni teve um problema estomacal e ajudaria muito Manoel daquele lado. Vamos ver durante a semana como ele vai estar”, falou Milton após o clássico, lamentando a ausência do lateral-esquerdo de origem, mas que vem atuando no meio de campo com o novo técnico.

TRÊS ZAGUEIROS

Uma possibilidade para tentar amenizar esse problema defensivo seria a utilização de três zagueiros. O próprio Cruz revelou, ao final do clássico contra o Tricolor, no Arruda, que estava pensando em usar o 3-5-2. “Contra o Santa, ele (Milton) conversou conosco durante o intervalo e disse que havia essa possibilidade, porque Manoel tinha levado amarelo e poderia me colocar no time e Giovanni passar para ala. Já contra o Sport, eu entrei, mas Milton preferiu adiantar Páscoa de volante porque ele já tinha atuado ali”, explicou Nirley (1,85 m).

Caso o treinador opte por esse esquema, o zagueiro não vê problema com a mudança tática. “Na época que estava no Americano-RJ, sempre jogava com três zagueiros. Inclusive, disputei dois Cariocas nesse esquema. Se Milton optar por jogar assim estou preparado”, disse.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM