Jornal do Commercio
DÉJÀ VU

Paralisação do elenco não é novidade no Náutico

Em 2013, no final da Série A, o grupo alvirrubro também ameaçou fazer greve por conta dos atrasos salariais

Publicado em 28/04/2017, às 06h49

Jogadores do Náutico se manifestam sobre os salários atrasados / Foto: JC Imagem
Jogadores do Náutico se manifestam sobre os salários atrasados
Foto: JC Imagem
Filipe Farias
Twitter: @_filipefarias

Uma situação que, infelizmente, não é nova no Náutico. Quando os jogadores alvirrubros convocaram à imprensa, ontem à tarde, no auditório do Hotel do CT Wilson Campos, para comunicar que o elenco profissional e os demais funcionários do clube não iriam trabalhar até que uma solução para os atrasos salariais fosse apresentada pela diretoria, fez lembrar bastante a mesma atitude que o grupo de 2013 tomou.

 

A sensação de ‘Déjà vu’ (palavra francesa para denominar algo já visto anteriormente) não é à toa. Naquela ocasião, coube ao volante Martinez - capitão e líder do elenco - fazer o pronunciamento e cobrar publicamente os dirigentes timbus para sanar as dívidas com os atletas. Ameaçando, inclusive, de os jogadores não entrarem em campo diante do Vasco, pela 37ª rodada da Série A daquele ano - o Náutico já estava rebaixado matematicamente.

 

Desta vez, a responsabilidade de tomar a frente e falar pelo elenco alvirrubro foi o meia Marco Antônio, que não poupou críticas a gestão do clube. “Resolvemos chamar vocês (imprensa) para falar diretamente para quem nos interessa que é o nosso torcedor. Até o último final de semana tentamos com todas as forças classificar o nosso time. Acabou o campeonato e ficamos esperando uma posição da diretoria em relação a situação financeira do clube e o que vão fazer com esses salários atrasados. Infelizmente a gente esperava uma postura diferente deles”, desabafou.



 

O camisa 10 alvirrubro fez questão de expor a situação delicada que os atletas estão passando. “Estou aqui há sete meses e estou sem receber o pagamento dos meus direitos de imagem há seis, que no meu caso corresponde a 50% do meu salário, além de outros três referentes à carteira. Mas não sou o pior. Tem gente numa situação ainda mais difícil. Não estamos cobrando nada além do que é nosso direito. Esperamos que essa política de entrar na justiça pra depois receber acabe. O Náutico é uma instituição de 116 anos e não pode pagar por umas gestões que passam por aqui e usam desse artifício”, apontou o meia.

RECADO

Por fim, Marco Antônio fez questão de mandar um recado a quem faz parte da administração do clube. “Esperamos de coração que o Náutico deixe de uma vez a política de lado e as pessoas que gostam do clube de verdade passem a pensar no escudo do Náutico. Trabalhar para ver os seus filhos comemorando títulos e tendo orgulho de vestir a camisa alvirrubra. Que possam lutar dia a dia em prol disso para as coisas comecem a funcionar aqui dentro”, comentou.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

#ConexãoPelaVida #ConexãoPelaVida
Há quase dois séculos, o Real Hospital Português mantém a sua atenção voltada para o bem-estar dos pacientes. Conheça um pouco mais sobre a instituição médica que aos 162 não para de se modernizar
Agreste Empreendedor Agreste Empreendedor
O Agreste pernambucano é a região que mais cresce em Pernambuco. E, por incrível que pareça, a força motriz que puxou esse desenvolvimento foi o empreendedorismo.
Envelhecer bem Envelhecer bem
Com eles não tem isso de ficar em casa ou passar boa parte do dia lendo ou na frente da televisão. Não suportam dias monótonos. Eles são muito ativos e encaram qualquer desafio, até porque querem aproveitar a vida da melhor forma possível.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM