Jornal do Commercio
FUTURO

''Eu quero ficar'', diz Maylson sobre futuro no Náutico

Meia ainda negocia uma possível redução salarial com o Timbu

Publicado em 17/05/2017, às 06h51

Náutico ainda tem pendências financeiras com Maylson / André Nery/Acervo JC Imagem
Náutico ainda tem pendências financeiras com Maylson
André Nery/Acervo JC Imagem
Matheus Cunha
mfacunha@outlook.com

No que depender da vontade de Maylson, o meia deve permanecer no Náutico. Ainda resolvendo pendências relacionadas aos salários atrasados e uma possível redução salarial para sua sequência no clube, o jogador garante que nunca faltou vontade em vestir a camisa do time alvirrubro. Questionado sobre quando o imbróglio irá se resolver, o atleta afirmou que até o fim dessa semana terá o futuro definido. 

"Espero que isso tudo se resolva essa semana, para ter mais tranquilidade para trabalhar. Espero que o final seja bom para o clube e bom para mim", disse o atleta ao fim do jogo contra o Santa Cruz, nesta terça-feira.



"EU QUERO FICAR"

O meia ainda afirmou que a sua permanência não depende apenas de si. "Eu quero ficar. A minha vontade é de ficar, mas tem algumas coisas que não dependem de mim. Então espero que se resolvam durante essa semana", concluiu.

Desde a eliminação nas semifinais do Campeonato Pernambucano, o Náutico vem passando por um processo de reformulação no seu elenco. Sete atletas já acertaram suas saídas da equipe: Éwerton Páscoa, Adalberto, Sueliton, Giovanni, Dudu, Marco Antônio e Juninho. Além deles, o técnico Milton Cruz foi outro que se despediu do Timbu.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM