Jornal do Commercio
LANÇAMENTO

Dirigentes do Náutico vão ao lançamento da chapa Resgate Alvirrubro

Emerson Barbosa, Alexandre Homem de Melo e Sérgio Lopes estiveram presentes no evento

Publicado em 27/06/2017, às 21h57

Emerson Barbosa (E) e Sérgio Lopes (D) foram cumprimentar Edno Melo e Diógenes Braga / Foto: Manoela Braga/ divulgação
Emerson Barbosa (E) e Sérgio Lopes (D) foram cumprimentar Edno Melo e Diógenes Braga
Foto: Manoela Braga/ divulgação
Filipe Farias
Twitter: @_filipefarias

A chapa Resgate Alvirrubro, que tem como candidato a presidente do Náutico Edno Melo e a vice-presidente Diógenes Braga, foi lançada oficialmente na noite desta terça-feira. O evento ainda contou com a presença do atual vice-presidente de futebol do Náutico, Emerson Barbosa, do diretor de futebol, Alexandre Homem de Melo, e, também, de Sérgio Lopes - candidato à presidência do clube, pela chapa União Alvirrubra, mas que acabou desistindo.

 

O comparecimento dos três foi a confirmação de que Edno e Diógenes vão, de fato, contribuir com a atual gestão do executivo do Timbu. “No primeiro momento Diógenes vai fazer parte do departamento de futebol e eu vou entrar na parte financeira do clube. Quero saber o que está acontecendo, as folhas salariais que estão atrasadas, o que temos de receita e o que ainda vai entrar. Procurar ter mais conhecimento a fundo dessa parte financeira”, contou Melo, que vai iniciar os trabalhos a partir da próxima segunda-feira.

 

De acordo com os dois candidatos, a intenção não é de chegar e mudar tudo o que já vem sendo feito no clube. “A gestão é a de Ivan Brondi. O que vamos fazer é agregar na gestão e procurar fazer esse processo de transição com contribuição. A ideia não é reformular a estrutura dos departamentos. Ivan é o presidente do clube até 31 de dezembro e o que vamos fazer é entrar nessas duas áreas (financeiro e futebol) com o intuito de contribuição”, comentou Braga.

IVAN BRONDI

Diante da situação inusitada, de ter os candidatos a presidente e a vice-presidente do Náutico trabalhando na atual gestão mesmo sem ele ter se encerrado... E, mesmo depois de eleitos, ficarem sendo subordinados à Ivan Brondi, Edno Melo não enxergou nenhum problema em se reportar ao mandatário do executivo. “Ivan é uma pessoa de fino trato e muito maleável. Acho que não vai ter problema nenhum em conviver com ele. Mesmo subordinado quero agregar valor nesse processo de desenvolvimento. Depois das eleições, o mandato continua sendo de Ivan. O nosso só começa no dia primeiro de janeiro de 2018”, comentou o futuro presidente alvirrubro.

Apesar de recentemente, o atual presidente do Náutico, ter trocado toda a sua diretoria de futebol, Diógenes Braga não teme que Brondi faça isso novamente e, nesse caso, acabe mandando embora até o término de sua gestão os futuros mandatários do clube alvirrubro. “Acho muito difícil que isso aconteça. Não estamos entrando com a ideia de bater de frente com ninguém. A ideia é de contribuição. Temos dois ouvidos e uma boca, então, temos agora que falar o necessário, ouvir muito e trabalhar mais ainda. Acredito que você trabalhando muito, ouvindo muito e falando pouco, a possibilidade de atrito é muito baixa. Temos de dar as mãos e tirar o clube dessa situação”, falou.


Recomendados para você


Comentários

Por Lucas,28/06/2017

Vejam a diferença que já perdura por anos. Lá pras bandas da ilha de lost os dirigentes da atualidade e dos últimos anos são pessoas como Gustavo Dubeux, Luiciano Bivar, João Martorelli, Arnaldo Barros, ou seja, gente de dinheiro e muito prestígio. Por sua vez, o Timba coitado, recentemente teve nomes como Marcos Freitas, Emerson Barbosa, Alexandre de Melo, Ivan Brondi e agora Diógenes Braga e Edno Melo, ou seja, bando de cara liso e com prestígio apenas nos fiteiros. É bronca.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM