Jornal do Commercio
Eleição

Náutico com novo presidente a partir deste domingo

Edno Melo e Diógenes Braga serão aclamados presidente e vice do Náutico

Publicado em 16/07/2017, às 08h02

Edno Melo perdeu a última eleição para presidente por dez votos.  / Foto: Davi Saboya/JC
Edno Melo perdeu a última eleição para presidente por dez votos.
Foto: Davi Saboya/JC
Davi Saboya
Twitter: @davisaboya

Nada melhor que um dia após o outro para superar a derrota. Ou melhor, no caso do futuro presidente do Náutico, um ano e meio. Depois de perder a última eleição para o comando do executivo por 10 votos para o ex-mandatário Marcos Freitas, em 2015, Edno Melo será aclamado, neste domingo (16), presidente do Timbu ao lado do vice Diógenes Braga para o biênio 2018-2019. Como apenas a chapa Resgate Alvirrubro, encabeçada por ambos, está inscrita na eleição, antecipada de dezembro para hoje, os sócios aptos a votar poderão demonstrar o apoio a partir das 8h quando as urnas estarão abertas.

“O que me motivou a sair candidato de novo foram as sucessivas derrotas dentro e fora do campo do Náutico e vendo que poderia contribuir. Se não fosse dar a minha contribuição neste momento, poderia ser uma pessoa frustrada por ter tido uma oportunidade e não ter dado a minha ajuda”, afirmou o futuro presidente do Náutico.
De forma inédita, o pleito foi antecipado para o meio deste ano por decisão do Conselho Deliberativo, que enxergou a necessidade diante da crise administrativa e financeira que assola a diretoria executiva, além da situação desesperadora no futebol. Sérgio Lopes (atual vice-presidente de desportos amadores) e Adethson Leite (membro do Conselho Deliberativo) chegaram a lançar a chapa União Alvirrubra no início da disputa eleitoral, mas poucos dias depois desistiram de concorrer.

Inicialmente, os futuros mandatários iriam entrar nos bastidores apenas no início da próxima temporada. No entanto, em um movimento de união entre Executivo e Conselho Deliberativo, encabeçado por Ivan Brondi (presidente), Gustavo Ventura (presidente do Conselho Deliberativo) e Emerson Barbosa (vice-presidente de futebol), Edno Melo e Diógenes Braga entraram na atual gestão como vice-presidente administrativo e financeiro e diretor de futebol, respectivamente, para poder tomar conhecimento de forma antecipada do momento em que vive o Náutico.



De acordo com Edno, mesmo depois de eleito, os últimos meses deste ano permanecerão como planejado em uma gestão de transição. “A receptividade foi muito boa nesses dias. A gestão é do presidente Ivan (Brondi) até o final do ano e vou seguir respeitando. Pela maneira que as coisas estão sendo feitas, não tem motivo para mudar nada após a eleição”, disse o atual vice-presidente administrativo e financeiro. “Ainda tem muita coisa para entender. Foram cerca de dez dias, mas já deu para saber onde pode cortar, onde pode melhorar, onde pode diminuir, seja de funcionário ou material que se está comprando demais. Isso foi possível ver claramente. Além do principal problema do Náutico, que hoje são as causas trabalhistas. Isso é uma coisa que mina o Náutico. É uma coisa básica. A despesa tem que ser menor que a receita”, completou.

Edno Melo dará total liberdade ao vice Diógenes Braga comandar o departamento de futebol e acumular as duas funções. “Ele (Diógenes) vai ter carta totalmente branca. A única coisa que vou exigir é que se pague a folha em dia. Uma equipe que seja montada dentro do nosso orçamento”, disse.

AFLITOS

O principal projeto da próxima gestão do Náutico é o retorno ao estádio Eládio de Barros Carvalho. Além de influenciar dentro de campo, o futuro presidente alvirrubro acredita que novas receitas podem entrar no clube com o retorno para a antiga casa. A ideia inicial é que o Timbu esteja jogando nos Aflitos durante o primeiro semestre de 2018. “Jogando na Arena perdemos a nossa identidade. Além disso, deixamos de ganhar várias receitas. Existem muitas coisas feitas. Inclusive, patrocinadores que estão bem encaminhados. Só não vamos conseguir abrir novamente os Aflitos no primeiro semestre se isso não for para frente”, finalizou Edno Melo.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM