Jornal do Commercio
Série B

Meta do Náutico é continuar somando pontos

Técnico Roberto Fernandes não vai cobrar belas exibições de seus comandados, destacando que o importante é pontuar na Série B

Publicado em 08/09/2017, às 09h00

Roberto Fernandes destacou recuperação do Náutico, que passou 16 rodadas na lanterna da Segundona  / JC Imagem
Roberto Fernandes destacou recuperação do Náutico, que passou 16 rodadas na lanterna da Segundona
JC Imagem
Luana Ponsoni
esportes@jc.com.br

Passada a euforia pela vitória apertada, por 1x0, sobre o Brasil de Pelotas, na última quarta-feira (6), na Arena de Pernambuco, o Náutico já retomou a serenidade para continuar focado na luta contra a zona de rebaixamento. Apesar do triunfo, o Timbu se mantém na penúltima colocação, agora com 20 pontos. Para subir mais posições na tabela, a estratégia do técnico Roberto Fernandes é simples. O importante é a equipe continuar somando mais três pontos, independente do futebol que venha a apresentar nas próximas partidas. Até porque o comandante timbu prevê um período de dificuldades ainda maiores para o Náutico nas próximas rodadas da Série B.

“Não adianta achar que vamos mudar da ‘água para o vinho’ (em referência ao jogo fraco diante do Brasil de Pelotas). Vamos sofrer até o fim. Até porque, historicamente, a competição fica ainda mais difícil no terço final dela”, afirmou.

A vitória do Náutico sobre o time gaúcho, pela 23ª rodada da Segundona, foi a terceira seguida dos alvirrubro atuando na Arena de Pernambuco. Antes, o timbu bateu o Figueirense por 2x0, na 21ª rodada, e o Luverdense, por 1x0, na 19ª. “O Náutico era um pato morto. Ficou 16 rodadas na lanterna. Veio vencer em casa na última partida do primeiro turno. E um detalhe importante: sem contratações. Com o mesmo elenco que não venceu nenhum jogo em casa e que agora venceu três”, destacou Roberto Fernandes.



Após a partida contra os gaúchos, porém, o treinador comentou que o Náutico deve fazer, ao menos, mais três contratações. O foco principal está no setor ofensivo. Incomoda ao técnico o fato de o timbu ter um dos piores ataques da competição. “Temos de priorizar onde estamos encontrando dificuldade. De todos os setores do Náutico, o mais cobrado, até mesmo pelos números, é o ataque. Com o gol de Vinícius, já passamos o ABC (16x15) e deixamos de ter o pior ataque do campeonato”, argumentou.

Diante das opções disponíveis no mercado e limitações financeiras do alvirrubro, Roberto Fernandes tem expectativa pela vinda de um atacante “matador”. De acordo com o técnico, o reforço terá de se encaixar no restante da equipe. “O mercado está restrito. Temos de ser cirúrgicos nesses três reforços, pois precisam chegar para nos ajudar a sair dessa situação. Estamos próximos de sair da zona do rebaixamento e só esperava ter essa expectativa daqui a três rodadas. Isso motiva o grupo e nos faz acreditar”, acrescentou.

CONCORRÊNCIA

Outro setor que deve ser reforçado é o gol timbu. Apesar de Jefferson estar se consolidando na posição, é provável que ele ganhe um concorrente. Desde a saída de Tiago Cardoso, o prata da casa assumiu a meta alvirrubra e contabiliza dois gols sofridos em cinco jogos.


Palavras-chave

Recomendados para você


Comentários

Por LYRA,08/09/2017

Se a meta é realmente continuar a marcar pontos, sugiro que corram e contratem até o final da SÉRIE B, o tri de árbitros que apitou o último jogo contra o BR de Pelotas, acho eu que não gastarão muito até mesmo porque não possuem dinheiro.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM