Jornal do Commercio
Timbu

Náutico mira primeira vitória fora de casa na Era Roberto Fernandes

A última vitória do Náutico diante do Brasil-RS levantou a moral do elenco

Publicado em 12/09/2017, às 07h08

Giovanni é uma das referências no setor ofensivo do Náutico. / Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
Giovanni é uma das referências no setor ofensivo do Náutico.
Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
Davi Saboya
Twitter: @davisaboya

O que antes era tratado como um sonho quase impossível, agora pode se tornar realidade. O técnico Roberto Fernandes assumiu o Náutico na 19ª rodada da Série B do Brasileiro com a missão de livrar o rebaixamento para Terceira Divisão. Quando ele chegou para comandar o Timbu pela terceira vez, a diferença para o primeiro time fora do Z-4 era de dez pontos - já tinha sido de 12. Agora é apenas de cinco, fruto das três vitórias como mandante com o novo treinador e uma mudança na postura da equipe.

Animado pela diminuição da diferença para deixar a zona de degola, o alvirrubro mira agora voltar a vencer como visitante. As duas únicas vitórias longe do Recife foram contra ABC e Vila Nova-GO, com Beto Campos e Levi Gomes (interino), respectivamente.

“Na situação que estamos, temos que vencer os jogos em casa e pontuar fora. Creio que desde que Roberto (Fernandes) chegou fizemos grandes partidas fora de casa. Contra o Ceará, quase que saíamos vencedores. Creio que a vitória está próxima se jogarmos do mesmo jeito como atuamos em casa”, afirmou o meia Giovanni. Sob a direção de Roberto Fernandes, o Náutico tem cinco jogos, com três vitórias - todas em casa - e duas derrotas, ambas fora.

Além de aumentar as chances de permanência na Série B, a vitória diante do Brasil-RS e a distância para fora da zona de rebaixamento melhoraram o clima no Náutico. Nas quatro primeiras rodadas da Segunda Divisão, o Timbu tinha marcado apenas um ponto. Agora, no segundo turno, somou seis diante dos mesmos adversários. Um desempenho que o colocaria como nono colocado, se fosse levado em consideração apenas o returno.

“Sem dúvida você vem trabalhar mais leve. Fora do clube acaba vivendo o futebol pela situação que a gente vem vivendo na tabela que é incômoda. É ruim até para conversar com a família porque sempre termina lembrando do futebol. Mas agora a distância sendo bem pouca, tendo vista que era grande, o clima vai mudando e evoluindo durante os jogos, o que não vinha acontecendo”, declarou o camisa dez do Náutico, Giovanni.



Precisando da primeira vitória fora de casa, o técnico Roberto Fernandes pode repetir uma arma que utilizou diante do Brasil: os meias Bruno Mota e Giovanni. Da última vez que foram usados, o rendimento não foi o esperado, mas os dois mostraram qualidade suficiente para deixar o comandante alvirrubro em dúvida.

“Nesse jogo contra o Brasil-RS não tivemos um bom desempenho devido à postura agressiva do adversário, o que dificultou na hora de armar o jogo. Se for treinando e entrosando, acredito que é possível jogar dentro de fora”, disse o camisa dez.

RECUPERAÇÃO

O zagueiro Breno Calixto segue se recuperando de dores na coxa direita. Ontem, apenas apareceu na beira do gramado durante o treino no Centro de Treinamento Wilson Campos. O atacante Iago Silva está suspenso pelo terceiro cartão amarelo.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM