Jornal do Commercio
Timbu

Náutico promete montar equipe dentro da realidade financeira

Timbu vai disputar a Série C em 2018 e terá o desafio de formar um grupo competitivo com pouca receita

Publicado em 13/11/2017, às 09h00

Roberto Fernandes é um nome bem quisto dentro do Timbu para seguir como treinador / CNC/Divulgação
Roberto Fernandes é um nome bem quisto dentro do Timbu para seguir como treinador
CNC/Divulgação
Davi Saboya
esportes@jc.com.br

Controle de gastos, folha salarial baixa e compromisso. Esses são alguns princípios que o Náutico deverá ter no futebol em 2018. Rebaixado para a Série C, os recursos serão escassos e as dificuldades maiores. A queda não será um tombo fácil de recuperar. Porém, a diretoria alvirrubra garante que não fará loucura. O que não significa um elenco pouco competitivo para a Copa do Nordeste, Pernambucano, Copa do Brasil e Terceira Divisão.

“Primeira palavra que o Náutico tem que ter no futebol é responsabilidade, ou seja, adquirir compromissos dentro da capacidade de cumprir. Todos os grandes problemas passam por dificuldades de pagamento. Então, esse é o maior desafio para 2018. Evidentemente, que se tem que montar um time dentro da altura da camisa do Náutico”, afirmou o vice-presidente de futebol, Diógenes Braga.

A definição da temporada 2018 do Náutico só confirmou o que era esperado. Ciente da dificuldade, o planejamento do futebol iniciou durante a Série B com dois cenários: permanência e rebaixamento. Para tristeza dos alvirrubros, aconteceu o pior. “Quando você projeta elenco, perfis, e outros pontos, se abrem mais objetivos. Já existe muito coisa construída. Sempre se olha para contratação e renovação. Mas não é só isso. Condições de trabalho, composição de staff, estrutura, pré-temporada, muito tem que ser feito”, disse o vice.



Depois das questões internas, o próximo passo no planejamento do futebol é a escolha do treinador. O técnico Roberto Fernandes é o nome bem quisto pelo diretoria depois do fôlego que deu ao Náutico na Segundona deste ano.

FAVORÁVEL

Um quesito que pesa a favor do treinador é fato de conhecer o clube visto que tem quatro passagens pelo Timbu. Além disso, Roberto tem experiência na Série C e um grande conhecimento do mercado regional. Outro ponto que pesa a favor é a vontade do comandante técnico de permanecer no Náutico. O que se sabe é que os dois lados estão a favor de uma continuação.

“Importará a ciência do treinador do momento, na entendimento do clube na questão financeiro, porque seremos responsáveis, austeros e não iremos contratar a vontade. Ciente de que vai receber mais não do que sim. Não é porque não se acredita, mas pela preocupação com a situação, além da capacidade técnica”, esclareceu o dirigente alvirrubro.


Palavras-chave

Recomendados para você


Comentários

Por Théo Sabiá,13/11/2017

Seria muito bom falar menos e agir mais, pois a torcida já não aguenta mais tanta promessa com pouca ação. O planejamento, que deve ser sério, deve mirar a volta para a série B, em um passo de cada vez. Se cair pra D, pode fechar as portas, pois ninguém mais se interessará, ainda mais com a torcidinha peidona que temos, em termos de ajudar!

Por Edson J,13/11/2017

Repetirão, provavelmente, a mesma política "míope", para dizer o mínimo, de 2017. Neste ano, dispensaram o grupo de jogadores que quase levou o Náutico à série A, Givanildo inclusive, com os mesmos argumentos de agora. Em contrapartida, contrataram 38 pernas de pau e sem nenhum compromisso com o clube. Gastaram menos? Duvido. Pelo jeito, querem rumar à série D.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM