Jornal do Commercio
SEGUNDONA

Roberto Fernandes quer que o Náutico termine a Série B com dignidade

Treinador alvirrubro falou que é preciso ter vergonha na cara nos últimos três jogos

Publicado em 14/11/2017, às 07h49

Roberto Fernandes pretende escalar alguns atletas que não vinham atuando / Foto: JC Imagem
Roberto Fernandes pretende escalar alguns atletas que não vinham atuando
Foto: JC Imagem
Filipe Farias
Twitter: @_filipefarias

Os três últimos jogos do Náutico na Segundona não serão apenas para cumprir tabela. Apesar de o Timbu (19º, com 31) não almejar mais nada na competição - está rebaixado matematicamente à Terceira Divisão -, o técnico Roberto Fernandes deixou claro que é preciso ter vergonha na cara ao encarar os próximos compromissos e honrar a camisa alvirrubra, a começar pelo confronto contra o Criciúma (9º, com 46), hoje, às 18h15 (horário do Recife), no estádio Heriberto Hülse, em Santa Catarina, pela 36ª rodada da Série B.

“Vergonha na cara faz bem a todos. O Náutico está no seu limite de derrotas na competição. Aliás, já gastou todos os limites de derrotas no primeiro turno. É preciso respeitar a camisa, entrar com seriedade e buscar as vitórias nesses três jogos”, disparou o treinador timbu, que vai seguir aproveitando esses confrontos para dar chance a quem não vinha atuando constantemente. “A avaliação do trabalho no futebol acontece o tempo inteiro. Vamos dar oportunidades a quem teve poucas ao longo da competição, mas desde que estejam motivados e que encarem a chance de maneira séria”, falou.

Um dos confirmados como titular é Busatto. Com a antecipação das férias de Jefferson, o goleiro de 27 anos assume a camisa 1 contra Criciúma, Vila Nova e Luverdense. “Sei que o momento de estrear não é oportuno (com o Náutico já rebaixado), mas espero agarrar essa oportunidade de jogar. Tenho consciência que serei avaliado e, se gostarem do meu desempenho, espero ficar no próximo ano. Procuro fazer o meu trabalho bem feito e que amanhã (hoje) possa ser um grande dia”, desejou o goleiro.

Em relação aos atletas que vinham como titulares nas últimas rodadas, Breno Calixto e Diego Miranda seguem sem ser relacionados. Rafinha está suspenso. Já o atacante William pediu para não ser relacionado e deve resolver o seu futuro hoje.



CRICIÚMA

Pelo lado do Criciúma, o pensamento também está em 2018. Sem chances de brigar pelo acesso e com uma pontuação confortável para não cair, os catarinenses pretendem utilizar as últimas partidas para avaliar melhor alguns jogadores e definir o futuro de cada um. O técnico Beto Campos (ex-Náutico) não vai ficar no Criciúma no próximo ano. Ele tem um pré-contrato com o Novo Hamburgo.

Ficha do jogo

CRICIÚMA

Luiz; Diogo Mateus, Raphael Silva, Edson Borges e Giaretta; Barreto (Ricardinho), Douglas Moreira, João Henrique e Maranhão; Caio Rangel e Lucão (Kalil). Técnico: Beto Campos.

NÁUTICO

Busatto; David, Rafael Ribeiro, Aislan e Henrique Ávila; Amaral, Renan Paulino (Jobson) e Cal Rodrigues; Dico, Iago (Leilson) e Gerônimo. Técnico: Roberto Fernandes.

Local: Heriberto Hülse, em Criciúma-SC.
Horário: 18h15 (do Recife).
Árbitro: Alinor Silva da Paixão (MT).
Assistentes: Fábio Rodrigo Rubinho e Marcelo Grando (ambos do MT).


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM