Jornal do Commercio
Timbu

Técnico do Náutico: 'Mais de um jogador que se apresentou embriagado'

Roberto Fernandes revelou vários problemas internos que precisou administrar no elenco do Náutico

Publicado em 14/11/2017, às 20h13

Roberto Fernandes revela clima difícil nos bastidores do Náutico durante a Série B.  / Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
Roberto Fernandes revela clima difícil nos bastidores do Náutico durante a Série B.
Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
Davi Saboya
Twitter: @davisaboya

Depois do empate contra o Criciúma, o técnico do Náutico, Roberto Fernandes, disparou contra o elenco alvirrubro e disse que teve que minimizar muitos problemas internos no elenco. Entre eles, atletas que foram treinar embriagados e outros sem forma física. Além disso, o treinador também citou o caso de jogador que abandonou o time e depois retornou, e que não foi treinar e mandou recado afirmando, que só iria voltar se recebesse o salário.  

>>> 'Eles que fizeram essa barca todinha aí', diz presidente eleito do Náutico
>>> Náutico: ''O elenco não gosta de Roberto Fernandes'', diz William
>>> Rebaixado, Náutico empata com Criciúma fora de casa

"Tive mais de um jogador que se apresentou embriagado. Tive mais de um jogador que se apresentou para trabalhar sem a menor condição física. Tive jogador que abandonou o grupo e depois voltou. Tive jogador que não foi treinar e mandou mensagem dizendo que só iria trabalhar se recebesse", afirmou o comandante alvirrubro. 



Alguns casos é possível deduzir quem são os jogadores citados por Roberto Fernandes. Como, por exemplo, Bruno Mota, que deixou o elenco e depois voltou. E William, que teve muitos problemas físicos desde a chegada no início de agosto. Sobre o jogador que não foi treinar e mandou mensagem dizendo que só voltaria se recebesse o salário atrasado, a informação da reportagem do Jornal do Commercio é que se trataria do ex-meia Giovanni. Vale ressaltar, que o treinador do Náutico não citou nenhum nome. 

WILLIAM

Questionado sobre as declarações do atacante William, Roberto Fernandes foi bastante cauteloso na resposta. Segundo o treinador, o que importa é a questão técnica dentro do campo. Ele também revelou, que precisou ser firme com a equipe em muitas oportunidades. 

"Não vi a entrevista. Se ele teve preocupação de retirar a questão pessoal, eu tive a preocupação da questão técnica. Então, qualquer grupo, que não tem comprometimento, eu não faço questão. A grande verdade é que comigo não tem meio termo. É a verdade absoluta. Falei muitas coisas na cara desse grupo. A gente teve muito problema em relação a grupo. Quase toda semana e procurei minimizar", rebateu.


Palavras-chave

Recomendados para você


Comentários

Por Timba,15/11/2017

Bom treinador,cabra macho,nordestino.a prata da casa nunca tem vez no pobre futebol Pernambucano.ele Dado Cavalcante,Givanildo.treinadores de respeito.manda William batoré, embora.jogador não manda no clube que paga o seu salário.o problema do Náutico não foi só salário assim o Sport, que paga salário em dias não estava na situação que estar hoje.jogador recebe fgts,seguro desemprego.ganha bom salário.vive de jogar bola .boa saúde,folgas.é um trabalhador como qualquer cidadão.e deve ser tratatdo como mesmo.O Náutico,precisa manter este técnico na equipe.e fazer do clube uma empresa quer jogar no clube vai ter que cumprir normas da legislação trabalhista.

Por Camela,15/11/2017

Atleta se apresentar embriagado.... Atleta vai embora e volta????? Acho que Roberto Fernandes foi firme como deveria ser. Onde não disciplina a tendência é de as coisas caminharem mal... Quanto à diretoria, estes elementos deveriam ser afastados do grupo...

Por maciel,15/11/2017

Dirigentes de clubes de futebol ñ são diferentes desses políticos partidarios, 99% são ladrões e a midia conivente faz lavagem cerebral em torcedores idiotas.

Por Sávio,15/11/2017

pagar, pagar, pagar, pagar, pagar, pagar, pagar, pagar, pagar, pagar, pagar, pagar, pagar, pagar, pagar, pagar, pagar, pagar, pagar, pagar, pagar, pagar, pagar, pagar, pagar. Aprendem cartolas



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM