Jornal do Commercio
Conhecimento

Náutico: um plantel à la Roberto Fernandes

Dos seis contratados até agora, quatro já atuaram com o treinador do Timbu

Publicado em 07/12/2017, às 07h37

Técnico tem conversado diretamente com jogadores para trazê-los para o Timbu / Guga Matos/JC Imagem
Técnico tem conversado diretamente com jogadores para trazê-los para o Timbu
Guga Matos/JC Imagem
Diego Toscano
Twitter: @diegotoscanoo

Contratações com o estilo da principal competição que o Náutico vai disputar no ano e com experiências passadas junto com o técnico Roberto Fernandes. Neste início de ciclo de contratações, é esse o perfil que o Timbu tem para a temporada 2018. Dos seis reforços já anunciados pela cúpula alvirrubra, cinco já jogaram a Série C e quatro deles trabalharam com o treinador em outros clubes.

“Nada mais normal. Óbvio que (Roberto) participa efetivamente, assim como o restante da diretoria, para montar um time forte e competitivo. Estamos muito focados no modelo e nas características da equipe para 2018”, afirmou Ítalo Rodrigues, gerente de futebol do Timbu, em entrevista ao Fórum Esportivo, da Rádio Jornal, na última segunda (4).

Dos seis contratados até agora, quem mais tem experiência de ser comandado do técnico Roberto Fernandes é o meia Júnior Timbó. Os dois estiveram juntos em 2013 e 2014, quando passaram por ABC e América-RN, respectivamente. “Roberto conversou bastante comigo e me encorajou muito a aceitar esse desafio. Quero fazer história no Náutico e vestir a camisa de titular, fazendo o maior número de jogos e gols possíveis”, afirmou o novo meia alvirrubro.

Quem teve o contato mais recente com o comandante foi o volante Hygor, de 28 anos. Neste ano, jogou pelo Bangu, comandado por Roberto Fernandes, na Série D. Os outros são o atacante Thiago Cunha (esteve com Roberto no Guaratinguetá, em 2012) e o volante Wallace Pernambucano (Confiança, 2016). 



O lateral Gabriel Araújo, apesar de não ter ainda trabalhado com Roberto Fernandes, já conhece a Série C. O ala jogou a competição neste ano, pelo Ypiranga-RS, com seis jogos e um gol no Grupo B.

EXCEÇÃO TRIPLA

Já Negretti é o único “ponto fora da curva”: ainda não foi comandado pelo técnico pernambucano nem atuou na Terceirona. Mas tem o que todos ainda não tiveram a oportunidade: vestir a camisa do Náutico. Foi na Série B da temporada passada, quando o clube da Rosa e Silva quase conseguiu o acesso para a elite do futebol brasileiro.

“Esse ano, optei por ir para o Náutico e foi um acerto bem tranquilo. O pessoal já me conhecia e sabia do meu perfil, além de Roberto Fernandes já ter algumas informações a meu respeito. Isso acabou facilitando. Fico feliz pelo acerto e tenho certeza que o Náutico vai voltar a ser grande e brigar por títulos”, explicou o volante do Timbu.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Recife em Transformação Recife em Transformação
A cidade e o desafio de traçar o seu futuro
Zika em mil dias Zika em mil dias
Já se passaram quase 2 anos e meio desde que o JC anunciou a explosão de casos de recém-nascidos com microcefalia. Muitas dessas crianças já completaram os seus primeiros mil dias de vida. Famílias e especialistas revelam o que aconteceu nesse período
Logística e inovação Logística e inovação
Você sabe o que é logística? Ela parece invisível, mas está presente no nosso dia a dia, encurtando distâncias. Quando compramos uma maçã no supermercado, muitas vezes não nos damos conta do caminho que percorreu até chegar a nossas mãos

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM