Jornal do Commercio
COPA DO NORDESTE

Náutico sofre, vence nos pênaltis e está na Copa do Nordeste 2018

Timbu empatou em 0x0 no tempo normal e venceu por 5x4 nos pênaltis

Publicado em 13/01/2018, às 18h18

Jefferson foi o herói do Náutico na decisão por pênaltis / Bobby Fabisak/JC Imagem
Jefferson foi o herói do Náutico na decisão por pênaltis
Bobby Fabisak/JC Imagem
Matheus Cunha
Twitter: @_mfcunha

Foi difícil. Foi sofrido. Mas o Náutico está na Copa do Nordeste de 2018. O Timbu ficou no 0x0 contra o Itabaiana, neste sábado, na Arena de Pernambuco, pelo jogo de volta da fase preliminar do Nordestão. Mesmo resultado do jogo da ida em Sergipe, levando a decisão para os pênaltis. Aí foi que a estrela do goleiro Jefferson brilhou, defendendo duas cobranças, enquanto que o Tremendão mandou para fora outra. Os alvirrubros desperdiçaram duas cobranças, mas venceram por 5x4 e agora integram o Grupo C do regional, ao lado de Bahia, Altos e Botafogo-PB.

A partida começou muito parelha. O Náutico tentava ser mais agressivo, mas sem muita efetividade. O principal homem das ações alvirrubras era o lateral-direito Thiago Ennes, que desceu muito para apoiar no primeiros minutos. O Itabaiana jogou apenas no erro alvirrubro. E foi assim que quase abriu o placar, logo aos 10 minutos de jogo, com o atacante Douglas, que recebeu dentro da área após contra-ataque sergipano. Chutou meio sem jeito e o goleiro Jefferson fez boa defesa.

Os donos da casa deram o primeiro susto dois minutos depois, quando Daniel Bueno dividiu a bola com a defesa adversária. Na sobra, Fernandinho chegou chutando junto com o zagueiro. O chute saiu fraco e Andrade segurou.

O ímpeto inicial dos alvirrubros foi diminuindo e o Itabaiana passou a gostar mais do jogo. Adiantou as suas linhas e começou a pressionar a saída de bola timbu, obrigando os donos da casa a recuarem constantemente para o goleiro Jefferson, que apenas chutava para a frente.

O "caminho da mina" para o Náutico era os lados do campo, com Gabriel Araújo e Thiago Ennes nas costas dos laterais Euzebio e Juninho. Até porque o meio campo alvirrubro não criava muito, mesmo com Medina e Wallace Pernambucano na criação. A equipe pernambucana abusou dos chutões diretos para o ataque, sempre procurando o centroavante Daniel Bueno. O camisa 9, por estar entre os dois zagueiros adversários, quase sempre perdia a bola.

Mesmo sem tanta posse de bola, o Itabaiana foi mais efetivo quando atacou. O meia Léo Mineiro era o homem da criação do Tremendão da Serra. Sempre chegava com perigo a área alvirrubra. Por ter se preparado mais tempo que o adversário, os sergipanos apresentaram mais entrosamento e triangulações na entrada da área. Em uma, Douglas chutou de fora, obrigando Jefferson a fazer boa defesa.

O goleiro Jefferson se chocou com Léo Mineiro no fim do primeiro tempo. O joelho do sergipano pegou no rosto do arqueiro alvirrubro, que ficou caído no chão. Chegou a chorar no gramado, mas continuou. Na sequência, numa cobrança de falta de Gabriel Araújo na entrada da grande área, o arqueiro do Itabaiana fez boa defesa no seu canto direito. O árbitro encerrou a primeira etapa logo em seguida.



As equipes voltaram para o segundo tempo sem mexidas. E o Náutico começou melhor a etapa final, sem dar espaços para os sergipanos, que buscavam brechas nos contra-ataques. Thiago Ennes e Gabriel Araújo foram, outra vez, condutores das principais ações dos donos da casa.

Assim como na primeira etapa, o meio campo alvirrubro se mostrou frágil. Era por ali que o Itabaiana avançada, sempre com liberdade. Os jogadores timbu estavam dispersos, facilitando a ofensiva sergipana.

O tempo foi passando e o Náutico pouco assustava o adversário. Wágner Lauretti, que entrou no lugar de Thiago Ennes, chegou a arriscar de longe, mas sem perigo. O Itabaiana não tinha a vantagem, já que o 0x0 levava o jogo para os pênaltis, mas esperava o Timbu o tempo todo. Levou muito perigo em uma cobrança de falta de Juninho, aos 26 minutos, quando Jefferson defendeu e a defesa afastou.

Com o fim do jogo se aproximando, o Náutico se lançou ao ataque. Sem desorganização e do jeito que dava. As bolas foram alçadas mais ainda na área. A torcida, sentindo a pressão, apoio. Mas o placar não saiu do 0x0 e a decisão foi para os pênaltis.

 Nas disputa da marca da cal, coube ao goleiro Jefferson brilhar e garantir o Timbu na fase de grupos do Nordestão. O arqueiro defendeu dois pênaltis. O Timbu poderia ter saído vencedor já na na disputa inicial de cinco cobranças, mas Jobson e Gabriel Araújo desperdiçaram. Nas alternadas, Jefferson pegou o chute de Douglas, enquanto que Medina fez e garantiu a vitória do clube. Além da classificação, os alvirrubros garantiram R$ 500 mil de cota.

FICHA DO JOGO

Local: Arena de Pernambuco. Árbitro: Pablo Alves (PB). Assistentes: Oberto Santos e Tomaz Araújo (Ambos da PB). Cartões amarelos: Thiago Ennes e Juninho. Público: 4.805. Renda: R$ 51.045

NÁUTICO
Jefferson; Thiago Ennes (Wágner Lauretti), Rafael Ribeiro, Claydson e Gabriel Araújo; Negretti, Hygor, Wallace Pernambucano (Jobson) e Medina; Fernandinho (Clebinho) e Daniel Bueno.
Técnico: Roberto Fernandes

ITABAIANA
Andrade; Carlos Henrique (Euzébio), Diego Bispo, Ramon e Juninho; Mica, Eduardo, Léo Mineiro e Bida; Douglas e Paulinho Macaíba (Moisés) (Salatiel).
Técnico: Gilberto Pereira


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM