Jornal do Commercio
Dinheiro

Peso financeiro da Copa do Brasil não assusta jogadores do Náutico

Atletas estão conscientes da importância das premiações para o Timbu em 2018

Publicado em 13/02/2018, às 19h20

Náutico já arrecadou quase R$ 2 milhões em 2018 só com premiações / Léo Lemos/Náutico
Náutico já arrecadou quase R$ 2 milhões em 2018 só com premiações
Léo Lemos/Náutico
Diego Toscano
Twitter: @diegotoscanoo

A cada jogo de mata-mata que o Náutico joga, a temática financeira é sempre abordada. Passando por uma reestruturação financeira em 2018, o Timbu precisa das cotas da Copa do Brasil e da Copa do Nordeste para ter fôlego financeiro na temporada. E os jogadores estão cientes da responsabilidade de ir avançando nas competições para a austeridade do clube no ano.

Vencendo o Fluminense de Feira nesta quarta (14), o Náutico embolsará R$ 1,4 milhão. Apenas na Copa do Brasil, o Timbu já faturou R$ 1,1 milhão só por passar da primeira fase. Na Copa do Nordeste, foram R$ 750 mil, sendo R$ 250 mil na etapa classificatória e R$ 500 com a ida para a fase de grupos.

"Vim pro Náutico já sabendo dessas dificuldades e de como os jogadores seriam importantes nessa reestruturação, tanto financeira quanto na questão de equipe pro clube. Todo mundo ganha com uma classificação, e o jogador tem que estar ciente do que está em jogo. Também vivemos de premiação, e os resultados positivos trazem isso. Jogador tem que ter ambição de conseguir os objetivos", explicou o volante Negretti.



BEM DISCUTIDO

A tranquilidade sobre a parte financeira tem uma explicação: no início da temporada, o elenco do Náutico já conversou entre si e com a diretoria alvirrubra sobre as divisões das premiações das competições ao longo de 2018. "É um assunto discuto já na pré-temporada. Os líderes já sentam com a gente e debatem sobre premiações, objetivos e bichos. É importante o jogador ter metas. Uma premiação fora do seu salário vai te ajudar no dia-a-dia. Vivi isso quando joga no Campinense e fomos vice-campeões da Copa do Nordeste. Praticamente vivia só de bichos e premiações", disse Negretti.

Almejar um complemento no salário, por sinal, não é só para o presente, mas também para o futuro dos jogadores. "Trato isso como gratificações pelo trabalho conquistado e concluído. Tem que ter essa ambição porque a carreira no futebol é curta. Todo mundo almeja trabalhar, se aposentar e depois curtir a vida. A gente pensa da mesma maneira, e ter essa metas é importante para os jogadores coroarem um trabalho bem feito", finalizou.


Recomendados para você


Comentários

Por Ed,13/02/2018

Espero um gol de Camutanga amanhã e que ele mostre que sabe jogar porque quem conhece ele sabe que é bom.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM