Jornal do Commercio
Dinheiro

Peso financeiro da Copa do Brasil não assusta jogadores do Náutico

Atletas estão conscientes da importância das premiações para o Timbu em 2018

Publicado em 13/02/2018, às 19h20

Náutico já arrecadou quase R$ 2 milhões em 2018 só com premiações / Léo Lemos/Náutico
Náutico já arrecadou quase R$ 2 milhões em 2018 só com premiações
Léo Lemos/Náutico
Diego Toscano
Twitter: @diegotoscanoo

A cada jogo de mata-mata que o Náutico joga, a temática financeira é sempre abordada. Passando por uma reestruturação financeira em 2018, o Timbu precisa das cotas da Copa do Brasil e da Copa do Nordeste para ter fôlego financeiro na temporada. E os jogadores estão cientes da responsabilidade de ir avançando nas competições para a austeridade do clube no ano.

Vencendo o Fluminense de Feira nesta quarta (14), o Náutico embolsará R$ 1,4 milhão. Apenas na Copa do Brasil, o Timbu já faturou R$ 1,1 milhão só por passar da primeira fase. Na Copa do Nordeste, foram R$ 750 mil, sendo R$ 250 mil na etapa classificatória e R$ 500 com a ida para a fase de grupos.

"Vim pro Náutico já sabendo dessas dificuldades e de como os jogadores seriam importantes nessa reestruturação, tanto financeira quanto na questão de equipe pro clube. Todo mundo ganha com uma classificação, e o jogador tem que estar ciente do que está em jogo. Também vivemos de premiação, e os resultados positivos trazem isso. Jogador tem que ter ambição de conseguir os objetivos", explicou o volante Negretti.



BEM DISCUTIDO

A tranquilidade sobre a parte financeira tem uma explicação: no início da temporada, o elenco do Náutico já conversou entre si e com a diretoria alvirrubra sobre as divisões das premiações das competições ao longo de 2018. "É um assunto discuto já na pré-temporada. Os líderes já sentam com a gente e debatem sobre premiações, objetivos e bichos. É importante o jogador ter metas. Uma premiação fora do seu salário vai te ajudar no dia-a-dia. Vivi isso quando joga no Campinense e fomos vice-campeões da Copa do Nordeste. Praticamente vivia só de bichos e premiações", disse Negretti.

Almejar um complemento no salário, por sinal, não é só para o presente, mas também para o futuro dos jogadores. "Trato isso como gratificações pelo trabalho conquistado e concluído. Tem que ter essa ambição porque a carreira no futebol é curta. Todo mundo almeja trabalhar, se aposentar e depois curtir a vida. A gente pensa da mesma maneira, e ter essa metas é importante para os jogadores coroarem um trabalho bem feito", finalizou.


Recomendados para você


Comentários

Por Ed,13/02/2018

Espero um gol de Camutanga amanhã e que ele mostre que sabe jogar porque quem conhece ele sabe que é bom.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Recife em Transformação Recife em Transformação
A cidade e o desafio de traçar o seu futuro
Zika em mil dias Zika em mil dias
Já se passaram quase 2 anos e meio desde que o JC anunciou a explosão de casos de recém-nascidos com microcefalia. Muitas dessas crianças já completaram os seus primeiros mil dias de vida. Famílias e especialistas revelam o que aconteceu nesse período
Logística e inovação Logística e inovação
Você sabe o que é logística? Ela parece invisível, mas está presente no nosso dia a dia, encurtando distâncias. Quando compramos uma maçã no supermercado, muitas vezes não nos damos conta do caminho que percorreu até chegar a nossas mãos

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM