Jornal do Commercio
Copa

Técnico do Náutico deu primeira chance a Firmino no profissional

Atacante começou como profissional no Figueirense de Márcio Goiano

Publicado em 14/06/2018, às 08h25

Firmino começou a carreira profissional no Figueirense, em 2010 / NELSON ALMEIDA / AFP
Firmino começou a carreira profissional no Figueirense, em 2010
NELSON ALMEIDA / AFP
Diego Toscano
Twitter: @diegotoscanoo

Unanimidade na lista de Tite, apesar da reserva, Roberto Firmino é o único nordestino convocado para a Copa da Rússia na seleção brasileira. Atacante do Liverpool, Firmino começou a carreira na base do CRB, mas foi no Figueirense que apareceu no cenário nacional. Atual técnico do Náutico, Márcio Goiano foi o comandante do time catarinense que deu a primeira chance para o centroavante no profissional.

“Fui pro Figueirense em 2010, como auxiliar-técnico. Chegando lá, comecei a observar atletas que iriam disputar a Copa São Paulo de Futebol Júnior. Depois, levamos alguns para integrar o elenco profissional, com o Firmino entre eles. A entrada dele foi natural: começou no banco e foi entrando como titular. Aproveitou as chances que teve e fez gols importantes. Tive a oportunidade de trabalhar com ele e fico feliz pela convocação. Depois foi vendido para o Hoffenheim, da Alemanha, e agora no Liverpool. Chegou nos seus objetivos, fez os gols e conseguiu se consolidar”, explicou o treinador.

Desde o início, Márcio Goiano percebeu que o jogador era diferenciado e que teria uma carreira de sucesso, seja em um clube de ponta da Europa ou até na seleção brasileira. “Desde os primeiros trabalhos, muita personalidade. Jogador equilibrado e acima de tudo que gostava de fazer gols, seja com a perna esquerda ou com a direita. Sempre acreditou no próprio potencial e está colhendo os frutos. Hoje é um jogador consolidado e de Copa do Mundo. Só desejo o melhor para ele”, afirmou Márcio Goiano.



Reserva de Gabriel Jesus, maior artilheiro da Era Tite com 10 gols, Firmino chega na Copa do Mundo após sua melhor temporada na carreira. Entre 2017 e 2018, no terceiro ano pelo Liverpool, fez 27 gols em 54 partidas, média de um tento a cada dois jogos. Pela seleção, em 21 duelos ao longo dos últimos quatro anos, balançou as redes em seis oportunidades.

ESPERANÇA

Confiante no hexa, Márcio Goiano fez elogios ao técnico Tite e apontou o favoritismo do Brasil na Rússia. “Hoje somos unânimes com relação a Tite. Seja a forma que joga ou os jogadores que convocou. Sabemos das dificuldades de se enfrentar seleções que jogam mais fechadas e no erro do adversário. Mas a seleção brasileira é colocada por todos como uma equipe que vai brigar para ser campeã”, explicou.

Sobre a pressão em cima do Brasil, o treinador do Náutico falou que os jogadores da seleção já estão acostumados em ter que carregar o favoritismo em uma Copa do Mundo. “A responsabilidade é muito grande, mas todos que vestem a camisa verde e amarela já sabem disso. Espero uma equipe boa e organizada. O brasileiro, por mais que fale do 7x1, quando a bola rolar, vai apoiar e vamos sentir o calor da torcida. É torcer que tenham sucesso e consigam dar alegria para todos nós”, finalizou o treinador.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM