Jornal do Commercio
Desafio

Joanna Maranhão fica em quarto no Nacional de maratona aquática

Foi apenas a segunda prova de travessia marítima da pernambucana

Publicado em 20/03/2017, às 08h36

Joanna comemora ao lado dos atletas de sua equipe, a Unisanta / Reprodução/Instagram
Joanna comemora ao lado dos atletas de sua equipe, a Unisanta
Reprodução/Instagram
LUANA PONSONI

 A pernambucana Joanna Maranhão, de 29 anos, foi um dos destaques da primeira etapa da Copa do Brasil e do Campeonato Brasileiro de maratona aquática. Especialista em provas de fundo da natação, a nadadora da Unisanta conquistou o quarto lugar entre os 300 atletas inscritos. Foi apenas a segunda prova do estilo disputada por Joanna, que é especialista em provas de fundo da natação. O bom resultado foi obtido no mar de Trapiche dos Pescadores, praia de Porto Belo, em Santa Catarina. 

Joanna fez a primeira travessia marítima quando tinha nove anos, em Alagoas. Apesar de ser praticamente estreante no estilo, ela não se intimidou e se manteve no pelotão principal durante toda a prova, disputada em um circuito de 5km. “Foi uma honra nadar ao lado das melhores maratonistas do Brasil, é sem dúvida uma memória válida do álbum das experiências aquáticas. Obrigada pela oportunidade e desculpem essa jovem anciã estreante atrapalhando a prova de vocês”, escreveu a pernambucana, no seu perfil no Instagram.

CAMPEÃ

A vencedora da prova feminina foi Ana Marcela Cunha, com o tempo de 1 hora e 53 segundos. O tempo de Joanna e demais participantes ainda não consta no relatório de resultados da Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA). 

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM