Jornal do Commercio
MMA

Wilson Reis tenta desbancar o melhor lutador da atualidade do UFC

Brasileiro encara Demetrious Johnson pelo cinturão dos moscas no UFC Kansas

Publicado em 14/04/2017, às 16h33

Wilson Reis encara o maior desafio de sua carreira no MMA. / Foto: UFC.
Wilson Reis encara o maior desafio de sua carreira no MMA.
Foto: UFC.
WLADMIR PAULINO

O lutador brasileiro Wilson Reis tem o desafio mais difícil de sua carreira na noite deste sábado (15) no UFC Kansas, nos EUA. O peso-mosca vai disputar o cinturão da categoria com ninguém menos que Demetrious Johnson, o campeão mais dominante da atualidade e líder do ranking peso por peso do Ultimate. O norte-americano tem a oportunidade de, nesse combate, igualar o recorde de Anderson Silva de dez defesas de cinturão bem sucedidas. O card principal tem início previsto para às 21h (de Brasília).

Reis, mineiro de Januária, tem um cartel de 22 vitórias e seis derrotas no MMA. No UFC desde 2013 engatou uma boa sequência depois de perder para o compatriota Jussier Formiga, há quase dois anos. Levou a mehor sobre Dustin Ortiz, Hector Sandoval e Ulka Sasaki, esta última em fevereiro. Ele tem como ponto forte o jiu-jitsu e o wrestling. Apesar de enfrentar um dos melhores da história, o brasileiro avisou que a única estratégia para enfrentar um oponente como Mighty Mouse é partir para cima. "Não vou ficar esperando contragolpe, vou partir para dentro"

Do outro lado, Johnson, embora considere o rival 'um cara duro' tem planos ambiciosos para a carreira. Em uma entrevista recente ele avisou que igualar a impressionante marca do Spider é o primeiro passo. “Dez é apenas mais um passo. O objetivo final é a 11ª”. É como quando Floyd Mayweather conseguiu 49-0. Por que você pararia? Você poderia facilmente ir a 50-0 e ser o único lutador a fazê-lo. Não, eu vou além de 10. Meu objetivo é superar as 10”, disse o lutador que tem um cartel com 25 vitórias, duas derrotas e um empate.

 

 Outra luta bastante aguardada da noite é a de Ronaldo Jacaré contra o australiano Robert Whittaker. Enquanto não consegue o sonhado title shot, o brasileiro, terceiro do rankgin, segue 'limpando' a categoria dos médios. Já são 11 combates com dez vitórias e uma derrota. O ex-campeão mundial de jiu-jitsu vem de duas vitórias - Vítor Belfort e Tim Boetsch. Um nocaute na primeira e uma finalização na segunda, tudo no primeiro round. Ambas também valeram premiações de performance da noite. Whittaker tem um retrospecto recente igualmente respeitável com cinco triunfos seguidos. Sua última luta, em novembro do ano passado, rendeu-lhe dois prêmios: performance e luta da noite no nocaute sobre Derek Brunson.



O esquadrão brasuca segue no octógono mais famoso do mundo com Renato Moicano, que luta pelos pesos-pena contra Jeremy Stephens, quinto no ranking e um strkier que pode criar problemas. Nos galos, Augusto Tanquinho, que vem de vitória por decisão dividida em janeiro sobre Frankie Saenz encara o norte-americano Aljamain Sterling. Por fim, a manauara Ketlen Vieira, de 25 anos, põe sua invencibilidade à prova nos galos feminino contra Ashlee Evans-Smith.

Confira o card completo:

CARD PRINCIPAL
Peso-mosca: Demetrious Johnson x Wilson Reis
Peso-palha: Rose Namajunas x Michelle Waterson
Peso-médio: Ronaldo Jacaré x Robert Whittaker
Peso-pena: Jeremy Stephens x Renato Moicano

CARD PRELIMINAR
Peso-pesado: Alexander Volkov x Roy Nelson
Peso-galo: Patrick Williams x Tom Duquesnoy
Peso-leve: Bobby Green x Rashid Magomedov
Peso-mosca: Louis Smolka x Tim Elliott
Peso-meio-pesado: Devin Clark x Jake Collier
Peso-médio: Anthony Smith x Andrew Sanchez
Peso-galo: Aljamain Sterling x Augusto Tanquinho
Peso-meio-médio: Zak Cummings x Nathan Coy
Peso-galo: Ashlee-Evans Smith x Ketlen Vieira


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM