Jornal do Commercio
mundial

Filipinho, Mineirinho e Wiggolly avançam à quarta fase em Bells Beach

Brasil será representado por quatro surfistas na quarta fase de Bells Beach do Mundial da modalidade

Publicado em 17/04/2017, às 10h58

Na quarta fase Filipinho terá pela frente o havaiano Ezekiel Lau / AFP
Na quarta fase Filipinho terá pela frente o havaiano Ezekiel Lau
AFP
JC Online

O Brasil teve um dia perfeito na etapa de Bells Beach, na Austrália, do Circuito Mundial de Surfe. Os três competidores do País que entraram no mar, Filipe Toledo, Adriano de Souza e Wiggolly Dantas, avançaram à quarta fase, para a qual Caio Ibelli também já estava classificado.

Em grande fase, Filipe Toledo conseguiu a maior somatória da terceira fase (18,27 pontos), o que acabou sendo mais do que suficiente para ele superar o australiano Adrian Buchan, que somou 15,56 na sua bateria. Na sua melhor onda, o brasileiro conseguiu 9,77 pontos, o que foi fundamental para o seu triunfo.

PRÓXIMA FASE

Na quarta fase, Filipinho terá pela frente o havaiano Ezekiel Lau e o também brasileiro Adriano de Souza. Com uma nota 9 na sua melhor onda, Mineirinho fechou a sua bateria com 16,53 pontos, superando o francês Jeremy Flores, que conseguiu 15,50.



Já Wiggolly Dantas eliminou o australiano Matt Wilkinson, o atual campeão da etapa de Bells Beach. Em uma bateria bastante equilibrada, o brasileiro superou o oponente por 13,73 a 13,00 para se garantir na quarta fase, quando terá pela frente o também australiano Joel Parkinson e o sul-africano Jordy Smith.

Caio Ibelli, que havia assegurado anteriormente a sua classificação à quarta fase, duelará na sua bateria com o português Frederico Morais e o australiano Owen Wright.

 


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM