Jornal do Commercio
Saída

Após perder na Odepa, Nuzman pede demissão da Odesur

Nuzman acrescentou que considerava oportuno convocar novas eleições "para completar o atual mandato".

Publicado em 19/05/2017, às 13h47

Nuzman pediu demissão da Odesur, entidade que presidia desde 2003. / Foto: COB.
Nuzman pediu demissão da Odesur, entidade que presidia desde 2003.
Foto: COB.
Agência Estado

Depois de perder em abril a eleição da Organização Desportiva Pan-Americana (Odepa), o brasileiro Carlos Arthur Nuzman pediu demissão da Organização Desportiva Sul-Americana (Odesur), entidade que presidia desde 2003.

A demissão foi anunciada via e-mail, conforme revelou Bruno Voloch, blogueiro do Estadão, nesta sexta-feira. "Por motivos técnicos, não foi possível completar nossa conferência por telefone realizada hoje (o documento é de 11 de maio). Desta forma, reitero minha decisão irrevogável de não continuar à frente da Odesur, permanecendo como seu presidente até a próxima assembleia", escreveu o dirigente.

Nuzman acrescentou que considerava oportuno convocar novas eleições "para completar o atual mandato". A proposta do dirigente é de que a Assembleia Extraordinária seja realizada em 14 de agosto, no Rio de Janeiro. Os comitês olímpicos, por sua vez, teriam até o dia 1º de julho para enviar seus candidatos.



Apontado como favorito para vencer a eleição à presidência da Odepa, Nuzman acabou ficando em terceiro - e último - na eleição vencida pelo chileno Neven Iván Ilic, que corria por fora na disputa. O dominicano Jose Joaquín Puello era o outro candidato.

Embora favorito, Nuzman empatou em segundo lugar no "primeiro turno" da votação com Ilic, com 14 votos cada um. E, na rodada de desempate, o chileno acabou levando a melhor - o que se repetiria depois contra Puello.

Frustração

O resultado aparentemente frustrou o dirigente brasileiro, que optou por se desligar da Odesur. Reeleito presidente do Comitê Olímpico Brasileiro (COB) até 2020, Nuzman foi convidado também, em abril, para integrar a Comissão de Coordenação do Comitê Olímpico Internacional (COI) para a Olimpíada de Tóquio, em 2020 O dirigente aceitou o convite e assim estará envolvido diretamente em mais uma edição da Olimpíada.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM