Jornal do Commercio
Saída

Após perder na Odepa, Nuzman pede demissão da Odesur

Nuzman acrescentou que considerava oportuno convocar novas eleições "para completar o atual mandato".

Publicado em 19/05/2017, às 13h47

Nuzman pediu demissão da Odesur, entidade que presidia desde 2003. / Foto: COB.
Nuzman pediu demissão da Odesur, entidade que presidia desde 2003.
Foto: COB.
Agência Estado

Depois de perder em abril a eleição da Organização Desportiva Pan-Americana (Odepa), o brasileiro Carlos Arthur Nuzman pediu demissão da Organização Desportiva Sul-Americana (Odesur), entidade que presidia desde 2003.

A demissão foi anunciada via e-mail, conforme revelou Bruno Voloch, blogueiro do Estadão, nesta sexta-feira. "Por motivos técnicos, não foi possível completar nossa conferência por telefone realizada hoje (o documento é de 11 de maio). Desta forma, reitero minha decisão irrevogável de não continuar à frente da Odesur, permanecendo como seu presidente até a próxima assembleia", escreveu o dirigente.

Nuzman acrescentou que considerava oportuno convocar novas eleições "para completar o atual mandato". A proposta do dirigente é de que a Assembleia Extraordinária seja realizada em 14 de agosto, no Rio de Janeiro. Os comitês olímpicos, por sua vez, teriam até o dia 1º de julho para enviar seus candidatos.



Apontado como favorito para vencer a eleição à presidência da Odepa, Nuzman acabou ficando em terceiro - e último - na eleição vencida pelo chileno Neven Iván Ilic, que corria por fora na disputa. O dominicano Jose Joaquín Puello era o outro candidato.

Embora favorito, Nuzman empatou em segundo lugar no "primeiro turno" da votação com Ilic, com 14 votos cada um. E, na rodada de desempate, o chileno acabou levando a melhor - o que se repetiria depois contra Puello.

Frustração

O resultado aparentemente frustrou o dirigente brasileiro, que optou por se desligar da Odesur. Reeleito presidente do Comitê Olímpico Brasileiro (COB) até 2020, Nuzman foi convidado também, em abril, para integrar a Comissão de Coordenação do Comitê Olímpico Internacional (COI) para a Olimpíada de Tóquio, em 2020 O dirigente aceitou o convite e assim estará envolvido diretamente em mais uma edição da Olimpíada.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM