Jornal do Commercio
tênis

Federer sobe para 3º e Melo é oficializado como número 1 das duplas

Após as conquistas de Wimbledon, Federer ganha duas posições na carreira, enquanto o brasileiro Marcelo Melo lidera o ranking de duplas da ATP

Publicado em 17/07/2017, às 12h32

Federer venceu seu 19º Grand Slam na carreira  / Reproduçã/Twitter
Federer venceu seu 19º Grand Slam na carreira
Reproduçã/Twitter
JC Online

A ATP oficializou nesta segunda-feira o retorno do brasileiro Marcelo Melo à liderança do ranking individual das duplas. Campeão em Wimbledon ao lado do polonês Lukasz Kubot, o tenista mineiro subiu duas posições e retomou a posição no topo. Na lista de simples, o suíço Roger Federer deixou o quinto posto e assumiu o terceiro, atrás do escocês Andy Murray e do espanhol Rafael Nadal.

É a segunda vez que Melo ocupa a primeira posição do ranking das duplas. A primeira aconteceu em 2015, quando fez grande temporada, com direito ao primeiro título de Grand Slam da carreira, em Roland Garros. Em Wimbledon, Melo faturou seu segundo Slam da carreira.



NOVO NÚMERO 1 DO PAÍS

O Brasil tem um novo número 1 a partir desta segunda. Rogério Dutra Silva desbancou Thomaz Bellucci ao subir para o 64º posto, ganhando cinco posições. Está apenas uma posição à frente do compatriota, que sofreu uma dura queda de dez colocações. Thiago Monteiro perdeu três postos e aparece agora em 103º.

TOP10

1 - Andy Murray (ESC), 7.750 pontos

2 - Rafael Nadal (ESP), 7.465

3 - Roger Federer (SUI), 6.545

4 - Novak Djokovic (SER), 6.325

5 - Stan Wawrinka (SUI), 6.140

6 - Marin Cilic (CRO), 5.075

7 - Dominic Thiem (AUT), 4.030

8 - Kei Nishikori (JAP), 3.740

9 - Milos Raonic (CAN), 3.310

10 - Grigor Dimitrov (BUL), 3.160


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM