Jornal do Commercio
ESCÂNDALO DE DOPING

Comitê Paralímpico Internacional decide manter suspensão da Rússia

Entre os requisitos estipulados estão a necessidade de obter uma licença especial provisória, além da realização de exames antidoping, dentro de critérios estabelecidos pelo organismo

Publicado em 07/09/2017, às 12h19

Os atletas do país, no entanto, poderão competir como neutros nas competições classificatórias para os Jogos de Inverno de PyeongChang, em 2018 / Foto: Miriam Jeske / brasil2016.gov.br/ HeusiAction
Os atletas do país, no entanto, poderão competir como neutros nas competições classificatórias para os Jogos de Inverno de PyeongChang, em 2018
Foto: Miriam Jeske / brasil2016.gov.br/ HeusiAction
ABr

O Comitê Paralímpico Internacional (IPC) decidiu manter nesta quinta-feira (7) a suspensão ao Comitê Paralímpico Russo, devido escândalo de doping que explodiu após a publicação do relatório McLaren. As informações são da Agência EFE.

Os atletas do país, no entanto, poderão competir como neutros nas competições classificatórias para os Jogos de Inverno de PyeongChang, em 2018, a partir do cumprimento de condições exigidas pelo IPC.

Entre os requisitos estipulados estão a necessidade de obter uma licença especial provisória, além da realização de exames antidoping, dentro de critérios estabelecidos pelo organismo, ou seja, duas vezes nos seis meses que antecedem grandes eventos.



O Comitê Paralímpico Internacional divulgou ainda que "sob nenhuma circunstância permitirá que funcionários, membros ou outros representantes do governo russo, ou autoridade do comitê local, de estarem nos Jogos de Inverno".

"Não queremos ter uma situação em que os atletas russos não possam se classificar, se o Comitê cumprir com critérios de reinstalação. Por isso, iniciamos uma medida provisória limitada, que durará, ao menos, até a próxima revisão do caso, em novembro", afirmou o presidente do IPC, Philip Craven.

Suspensão

O Comitê Paralímpico Internacional suspendeu a Rússia em agosto de 2016, devido a conclusões do relatório independente feito pelo professor canadense Richard McLaren, a partir da Agência Mundial Antidoping (WADA), que apontou para um esquema de uso de substâncias ilegais patrocinado pelo estado.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM