Jornal do Commercio
Pyeognchang

Após feito, brasileiro de 15 anos mira semi em prova da Paralimpíada de Inverno

Cristian Ribera visa alcançar uma semifinal na prova de velocidade

Publicado em 13/03/2018, às 13h07

O garoto enfrentará 35 atletas de 16 países em busca de uma das 12 vagas nas semifinais / Foto: Bob Martin/AFP/ OIS IOC
O garoto enfrentará 35 atletas de 16 países em busca de uma das 12 vagas nas semifinais
Foto: Bob Martin/AFP/ OIS IOC
Estadão Conteúdo

Depois de conquistar um inédito e histórico sexto lugar para o Brasil no esqui cross-country de 15km da Paralimpíada de Inverno de Pyeognchang, em feito obtido no último sábado, na Coreia do Sul, o brasileiro Cristian Ribera, de apenas 15 anos, mira alcançar uma semifinal na prova de velocidade desta modalidade, a partir das 22 horas (de Brasília) desta terça-feira.

Este percurso agora será de 1,1km, sendo que a paranaense Aline Rocha, primeira brasileira a disputar uma edição da importante competição, também estará presente na disputa feminina desta distância na noite desta terça.

Em sua prova, o garoto rondoniense enfrentará 35 atletas de 16 países em busca de uma das 12 vagas nas semifinais. E está confiante de que avançará para este estágio da competição com um dos 12 melhores tempos da fase qualificatória.

"A dinâmica do sprint é diferente da prova de longa distância. A largada é de 15s em 15s em vez de 30s em 30s, e por isso, a competição acaba ficando mais disputada e emocionante. Você consegue ouvir a bastonada do seu adversário e não fica sozinho na pista. Eu gosto bastante desta adrenalina", afirmou o esquiador, por meio de declarações reproduzidas pelo Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB), para em seguida reforçar: "Espero que consiga manter os bons resultados. A meta é estar na semifinal pelo menos. Isso já seria incrível".



Sequência

Caso avance às semifinais, Cristian depois tentará lutar para conquistar um dos seis melhores tempos para se classificar à decisão por medalhas, pois apenas os seis primeiros colocados desta fase seguirão vivos na luta pelo pódio.

Aline Rocha, de 27 anos, estreou nesta Paralimpíada com um 15º lugar na disputa feminina de 12km do esqui cross-country e agora admite que terá de superar na prova de velocidade, que não é a sua especialidade. "A prova tem um percurso curto e que não permite erro. Enfrentaremos duas subidas e uma descida perigosa, então temos que estar muito focados. Não é a minha melhor prova, já que gosto de longas distâncias, mas vou dar o meu melhor", afirmou Aline.

A brasileira e Cristian ainda estarão presentes em outras duas provas destes Jogos Paralímpicos de Inverno, ambas marcadas para sábado, com ela competindo em uma disputa de 5km do esqui cross-country e ele em uma de 7,5km para Cristian, assim como ambos participação do revezamento 2x2 de 5km.

O esqui cross-country paralímpico conta com a participação de atletas com deficiências físicas e visuais. Dependendo da limitação física, o esquiador pode usar um sit-ski (uma cadeira equipada com um par de esquis), casos de Aline e de Cristian. Competidores com deficiência visual são auxiliados por um atleta-guia que os conduz por meio de um walkie-talkie.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva
Rodoviários: ''máquinas'' sem manutenção Rodoviários: ''máquinas'' sem manutenção
Carga horária excessiva, más condições de trabalho, terminais sem estrutura apropriada e os riscos ocupacionais aos quais estão submetidos. O transporte rodoviário está em quarto lugar entre as profissões com mais com comunicações de acidentes de trabalh
#UmaPorUma #UmaPorUma
Existe uma história para contar por trás de cada assassinato de mulher em Pernambuco. Uma por uma, vamos contar todas. Mapear onde as mataram, as motivações do crime, acompanhar a investigação e cobrar a punição dos culpados. Um banco de dados virtual.

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM