Jornal do Commercio
abertura

Abertura dos Jogos Paralímpicos marcada por inclusão e diversidade

Apresentações da cerimônia confrontaram o público com situações de difícil acessibilidade e possíveis soluções. Jogos Paralímpicos iniciaram oficialmente nesta quarta-feira

Publicado em 07/09/2016, às 22h08

Realizada no Maracanã, cerimônia durou cerca de quatro horas / Tasso Marcelo/AFP
Realizada no Maracanã, cerimônia durou cerca de quatro horas
Tasso Marcelo/AFP
Gabriela Máxima

A cerimônia de abertura dos Jogos Paralímpicos foi marcada pela inclusão e diversidade, nesta quarta-feira, no estádio do Maracanã. Produzida pelos diretores de criação Fred Gelli, Flávio Machado e Marcelo Rubens Paiva, todos os momentos apresentaram ao público um pouco do universo paralímpico, levando em consideração a superação dos atletas e as dificuldades que eles enfrentam no dia a dia. 

O público foi confrontado com situações de difícil acessibilidade e as possíveis soluções para cada problema. O ponto mais simbólico aconteceu quando Clodoaldo Silva, dono de seis medalhas paralímpicas, ficou responsável por acender a pira. Cadeirante, ele não conseguiu subir as escadas e questionou o que fazer para seguir seu caminho. De imediato, uma rampa surgiu e ele pôde concluiu sua missão. Pernambuco também participou da cerimônia com o nadador Phelipe Rodrigues, que fez o juramento em nome de todos os competidores. 


Galeria de imagens

Legenda
Anteriores
Próximas

VAIAS

Levando em consideração o momento político do País, a cerimônia teve de tudo um pouco. Durante o discurso do presidente do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), Carlos Nuzman, o público no Maracanã entoou uma sonora vaia que durou mais de um minuto. A breve fala do presidente Michel Temer também foi marcada por mais vaias. Outro ponto negativo foi a falta de acessibilidade no estádio para os cadeirantes. A impossibilidade de táxis e carros adaptados para portadores de deficiência chegarem ao estádio gerou reclamações. 

Depois que a pira foi acesa, Seu Jorge fechou a cerimônia cantando clássicos da música brasileira. Começou sua apresentação com “Eu Acredito na Rapaziada”, de Gonzaguinha, encerrando com “É preciso saber viver”, de Roberto Carlos. 

Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM