Jornal do Commercio
2017

William Barbio quer vida nova no Santa Cruz

Após 2016 ruim, atacante William Barbio quer brilhar com a camisa do tricolor

Publicado em 12/01/2017, às 07h45

Em 2016, William Barbio só jogou cinco partidas, em três clubes diferentes / Diego Nigro/JC Imagem
Em 2016, William Barbio só jogou cinco partidas, em três clubes diferentes
Diego Nigro/JC Imagem
Diego Toscano
Twitter: @diegobmtoscano

Com o peso de substituir um dos grandes destaques do Santa Cruz no ano passado, William Barbio foi apresentado na última quarta (11), no estádio Grito da República, em Olinda. Querendo um ano de redenção após um 2016 apagado, o atacante chega para suprir a lacuna de Keno, vice-artilheiro da equipe na última temporada e que foi contratado pelo Palmeiras.

No ano passado, sem espaço e sofrendo com lesões, foram só cinco partidas para William Barbio. Uma pelo Vasco, no Carioca, duas pelo América-MG, na Série A, e mais duas pelo Joinville, na Segundona.

“Tive um último ano ruim e não gosto nem de falar muito sobre isso. Me mudei demais, com três clubes em uma temporada. Assim, é difícil se acostumar com o ambiente de uma equipe. Tive também lesões, mas hoje estou 100%. Espero ajudar o Santa a buscar títulos e também colocar o clube novamente na Primeira Divisão”, afirmou o jogador.

KENO

Sobre a comparação com Keno, William Barbio ressaltou as qualidades do agora palmeirense e disse que espera ter tanto sucesso quanto o também atacante. “A gente joga de forma parecida e espero mostrar meu futebol no Santa. Quem sabe até fazer o que ele fez aqui, com um ano de sucesso. Quero dar o meu melhor e quem sabe alçar voos maiores”, explicou Keno.

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM