Jornal do Commercio
Estadual

As armas de Salgueiro e Santa Cruz para a decisão no Pernambucano

JC analisou pontos fortes do Carcará e da Cobra Coral para o duelo deste sábado (22)

Publicado em 21/04/2017, às 06h55

Experiência de Tamandaré e eficiência de Salles são trunfos de Salgueiro e Santa na semifinal / Alexandre Gondim/JC Imagem
Experiência de Tamandaré e eficiência de Salles são trunfos de Salgueiro e Santa na semifinal
Alexandre Gondim/JC Imagem
Diego Toscano
Twitter: @diegobmtoscano

Disputando uma vaga na final do Pernambucano amanhã, Salgueiro e Santa Cruz apostam em três armas cada para chegar na decisão do Estadual. Melhor time da fase classificatória, o Carcará tem a força como mandante, a manutenção da base e um ataque jovem e goleador como trunfos na semifinal. Já o Santa Cruz, tem a defesa sólida, a eficiência nas bolas paradas e o retrospecto recente como aliados na busca pelo sexto título local nos últimos sete anos.

Quarta força do Estado na atualidade, o Salgueiro chega embalado pela excelente campanha nas duas primeiras fases do Pernambucano. E muito dessa boa trajetória se deve ao alto aproveitamento jogando em seus domínios. No Cornélio de Barros, o Carcará tem cinco vitórias, dois empates e apenas uma derrota em 2017.

Característica da equipe sertaneja desde a sua fundação, em 2005, a manutenção da base também chama a atenção. Dos titulares que jogaram a partida de ida da semifinal contra o Santa Cruz, sete estavam também nas finais do Pernambucano de 2015, entre Santa e Salgueiro. Nomes como o lateral Marcos Tamandaré e o volante Rodolfo Potiguar, ambos com sete temporadas no clube, mostram que o entrosamento está em dia no Carcará.

Se na defesa a experiência toma conta, no ataque, as coisas se invertem. Em 2017, o sistema ofensivo do Carcará é marcado pela juventude. O meia Valdeir (24 anos) e os atacantes Willian Lira (23) e Álvaro (19) são os grandes destaques, com 15 dos 28 tentos do Salgueiro no ano.



SANTA CRUZ

Pelo lado coral, dois fatores traduzem a equipe na temporada. Primeiro, o poder defensivo. Nos últimos dez jogos, a equipe só foi vazada em cinco oportunidades. No ano, por sinal, ainda não perdeu por dois gols de diferença, vantagem que coloca o Salgueiro na final. Amanhã, o Tricolor do Arruda precisa apenas de um empate para avançar a decisão.

Capitaneado pelo zagueiro-artilheiro Anderson Salles, as bolas paradas são a grande arma ofensiva da Cobra Coral na temporada. Quase 40% dos gols da equipe na temporada saíram desse quesito. Foram 12 dos 30 tentos do Tricolor no ano. Salles é o maior goleador do Santa no ano, com quatro gols de falta e três de pênalti.

Fechando a lista de armas, o retrospecto recente conta a favor do Santa. No Pernambucano, o Carcará só perdeu dois dos 17 jogos que disputou, incluindo a primeira fase da competição. Nas duas vezes, o Santa Cruz foi o calo, ambos com vitórias por 1x0.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM