Jornal do Commercio
Série B

O Martelotte 'psicólogo' e o trabalho da confiança no Santa Cruz

Além da parte tática, treinador do Santa trabalha intensamente a cabeça dos atletas

Publicado em 14/09/2017, às 07h46

Elenco se cobra para melhorar resultados na Série B / Alexandre Gondim/JC Imagem
Elenco se cobra para melhorar resultados na Série B
Alexandre Gondim/JC Imagem
Diego Toscano
Twitter: @diegobmtoscano

Mais do que mudar a parte técnica ou tática, a maior preocupação do técnico Marcelo Martelotte, hoje, é com a cabeça dos jogadores do Santa Cruz. Em má fase após oito jogos sem vitória na Série B, a confiança do elenco vem sendo muito trabalhada nos últimos dias. Se a escalação não tem tantas mudanças em relação a Era Givanildo Oliveira, o Martelotte “psicólogo” quer tentar engatar uma rápida recuperação na Segundona.

“Quando falta confiança, acabam escolhendo alternativas erradas. A bola para passar, escolhe-se o chute, e vice-versa. Não é só questão de chutar mais: é fazer a escolha certa no momento certo”, afirmou o treinador, logo após o empate em 0x0 contra o ABC. Para ele, antes de reforços, é preciso “recuperar” a qualidade do elenco. “Quando falo em qualificação, é melhorar o rendimento dos que aqui estão. E isso só vai ocorrer quando tiverem mais confiança. Hoje, o resultado tem um peso maior, seja jogando bem ou mal”, afirmou o treinador.

Dentro do elenco, a cobrança por melhores resultados está acontecendo. Segundo o meia João Paulo, os jogadores estão incomodados por terem colocado o time na zona de rebaixamento. “A gente está bastante incomodado com essa situação. Não queríamos estar brigando para não cair, mas na parte de cima. Mas tenho certeza que a gente vai deixar essa equipe onde está. Se não conseguirmos o acesso, vamos continuar na Série B”, ressaltou João Paulo.



DEDICAÇÃO

Para retomar o bom futebol e a confiança, nada melhor do que trabalhar forte até o próximo duelo, na próxima sexta (15), contra o Goiás, pela 24ª rodada da Série B. Pelo menos é o que garante o goleiro Julio Cesar.

“Acho que essa questão de confiança só se consegue no treino, em cada passe, finalização ou defesa. Só com acertos e as coisas voltando a dar certo é que você ganha confiança. Passamos por um momento de instabilidade. Vínhamos de seis jogos com derrota. Todo mundo saia do jogo chateado. Um olhava pra cara do outro e cada um ia para sua casa. Agora, já voltamos um pouco mais tranquilos de Natal (empate em 0x0 contra o ABC). Marcelo é um cara que cobra muita intensidade dentro dos treinos e isso vem ajudando bastante. Com cada acerto, a gente vai pegando essa confiança novamente de volta”, explicou.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

O Hobbit - 80 anos O Hobbit - 80 anos
Como a maioria dos hobbits, Bilbo Bolseiro leva uma vida tranquila até o dia em que recebe uma missão do mago Gandalf. Acompanhado por um grupo de anões, ele parte numa jornada até a Montanha Solitária para libertar o Reino de Erebor do dragão Smaug
Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM