Jornal do Commercio
Série B

Santa Cruz: 'É possível jogar sem me machucar', diz Natan

Apresentado, meia do Santa já quer estrear na próxima sexta

Publicado em 20/09/2017, às 07h02

Jogador foi apresentado no Arruda na última terça (19) / Diego Toscano/Especial para o JC
Jogador foi apresentado no Arruda na última terça (19)
Diego Toscano/Especial para o JC
Diego Toscano
Twitter: @diegobmtoscano

Após três anos, Natan volta ao Santa Cruz com a expectativa de ser novamente o maestro da Cobra Coral, desta vez na Série B. Apresentado na última terça (19) no Arruda, falou sobre sua condição clínica, criticou “piadas” sobre lesões e afirmou que quer estrear já contra o Londrina, na sexta, pela 25ª rodada da Segundona.

VOLTA

Estou muito feliz de voltar a vestir essa camisa. Chego com a expectativa de ajudar o grupo a sair dessa situação e depois galgar novos objetivos na competição.

CUIABÁ

Fiz 14 partidas no ano. Joguei mais no primeiro semestre. Depois, com a troca de treinador e por uma lesão muscular na panturrilha, fiquei mais de fora

SANTA CRUZ

Foi onde vivi os momentos mais felizes da minha carreira. O Santa vinha numa situação muito complicada, na Série D, e a gente conseguiu ajudar o clube a voltar pra Série B, onde se encontra hoje. O clube melhorou bastante na questão da tecnologia, com acompanhamento dos atletas para prevenção de lesões. A maioria dos funcionários permanece e o ambiente de trabalho continua muito bom. Fui bem recebido por um grupo focado.



PARTE CLÍNICA

Saí do Santa Cruz no final de 2014 para o Criciúma. Sendo bem sincero, continuei me machucando lá durante o ano de 2015. Ano passado, com treinamento especial de três meses com um preparador físico, consegui ficar um ano e meio sem me machucar. Foi um recorde e isso me deixou muito feliz. Houve uma evolução. Vi que é possível jogar sem me machucar.

CRÍTICAS

Já tive a oportunidade ler algumas coisas, algumas chacotas. Se fosse o filho deles, iam fazer piadas desse tipo? Tento, mas nem sempre consigo, não me iludir com elogios ou me abater com críticas. Prefiro não ver muito (as redes sociais). Não é algo que quero (ter lesões). Tentei de tudo. Agora houve uma evolução e quero que, no futuro, não volte a ser perguntado sobre isso. Não porque me recusarei a responder, mas porque espero que isso não aconteça mais.

LONDRINA

Estou 100%. Fiquei alguns dias parado depois que o Cuiabá foi desclassificado (da Série C), mas vinha treinando normalmente. Vai depender do treinador e da preparação física, durante a semana, para saber se posso ir pro jogo ou não.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM