Jornal do Commercio
Arruda

Vencer é o único objetivo do Santa Cruz diante do Figueirense

Santa cruz não vence fora de casa na Série B do Campeonato Brasileiro há quatro mês

Publicado em 13/10/2017, às 07h08

Santa Cruz ciente da necessidade de vencer o Figueirense fora de casa. / Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Santa Cruz ciente da necessidade de vencer o Figueirense fora de casa.
Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Davi Saboya
Twitter: @davisaboya

Vencer, vencer, vencer. Esse é o único pensamento do Santa Cruz diante do Figueirense, amanhã, às 16h30, no estádio Orlando Scarpelli, em Santa Catarina, pela 29ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro. Isso porque o adversário da Cobra Coral é um concorrente direto na fuga do rebaixamento para a Terceira Divisão. Com 29 pontos, o Tricolor é o 18º colocado. Três a menos que o time catarinense, que está uma posição na frente. Por isso, a necessidade da conquista dos três pontos. Uma derrota deixa a situação bem difícil, pois aumentaria para seis pontos a diferença para o próprio Figueira.

Ao contrário das táticas adotadas nos últimos confrontos fora de casa, o Santa Cruz quer uma maior posse de bola contra o Figueirense. Como precisa ganhar o “jogo de seis pontos”, a ideia é ter o máximo possível de condições para marcar gols. “É um adversário direto na competição. Quanto mais ficarmos com a bola na partida será melhor, pois teremos mais chances de criarmos oportunidades. Só a vitória interessa para a gente. Se empatar, não vai ser um bom resultado”, afirmou o meia João Paulo.

Para vencer a próxima partida, o Santa Cruz precisará ter um desempenho diferente do que teve durante toda a Segundona. Com apenas duas vitórias longe de Pernambuco, o tricolor é o quarto pior visitante da Série B e acumula ainda quatro empates e oito derrotas. Nem mesmo a chegada do técnico Marcelo Martelotte há seis jogos mudou o retrospecto. Nos três duelos fora de casa foram dois empates e uma derrota, além de ter conquistado apenas uma vitória diante do Goiás por 3x0 no Arruda.



Assim como todo jogo decisivo, Santa Cruz x Figueirense poderá ser decidido no detalhe. Uma bobeira pode custar caro ao tricolor. Dessa maneira, a lei na equipe coral é para ter atenção máxima durante todos os 90 minutos. De acordo com o zagueiro Anderson Salles, o adversário irá partir para cima dos pernambucanos, pois está jogando em casa e com o apoio dos torcedores. “O Figueirense é uma equipe que vai propor o jogo, pois está jogando em casa e diante da torcida. Temos que ficar atentos e procurar focar nos pontos fracos deles para tentar sair com a vitória”, disse o defensor.

BOLA PARADA

Por outro lado, o Santa Cruz tem uma arma na defesa que pode decidir a partida contra o Figueirense a favor na bola parada. É Anderson Salles. No início da temporada, era difícil ele perder uma cobrança de falta. No entanto, a última vez que o jogador acertou foi nas quartas de finais da Copa do Nordeste diante do Itabaiana. “Treino bastante durante a semana, mas acho que o gol irá voltar a sair naturalmente. Não fico me cobrando nesse sentido. Até porque não é a minha função”, comentou o zagueiro.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM