Jornal do Commercio
Rubro-negro

Gol da vitória do Sport ante o Calango foi a redenção de Paulo Henrique

Jogador de 28 anos perdeu, pelo menos, três chances claras de balançar as redes antes de inaugurar o marcador no Arruda

Publicado em 20/03/2017, às 07h00

Paulo Henrique correu para festejar com os poucos torcedores que estiveram no Arruda / Williams Aguiar/Sport Club do Recife
Paulo Henrique correu para festejar com os poucos torcedores que estiveram no Arruda
Williams Aguiar/Sport Club do Recife
LUANA PONSONI

Marcar o único gol da vitória leonina sobre o Belo Jardim, por 1x0, ontem, no Arruda, foi motivo de redenção para o atacante Paulo Henrique. Depois de perder, pelo menos, três oportunidades claras no confronto válido pela sétima rodada do Hexagonal do Título do Pernambucano, ele não saiu de campo em branco. Até então um dos mais criticados no time reserva do Sport, foi dele o gol da vitória, aos 12 minutos do segundo tempo. A comemoração do primeiro e único gol do Leão na partida, porém, mal pôde ser ouvida das arquibancadas. Apenas 437 torcedores compareceram ao estádio, em mais uma partida com público pífio neste Estadual.

O número de espectadores registrado no duelo do Calango ante o Leão foi o mais baixo do torneio envolvendo um dos grandes clubes da capital e um time intermediário. O jogo de ontem só ficou atrás da partida entre a equipe alviverde e o Central, na quinta rodada do Hexagonal. Na ocasião, apenas 107 pessoas estiveram acompanhando o confronto das arquibancadas do Carneirão, em Vitória de Santo Antão.

E foi praticamente sem o apoio de sua torcida que o Sport entrou em campo no Arruda. Perdido nos minutos iniciais diante do Belo Jardim, o time de Daniel Paulista seguiu “batendo cabeça” até os 12 minutos. Nesse período, o Calango chegou com perigo três vezes.

Com Fábio afobado na armação das jogadas, Everton Felipe acabava recuando para tentar assumir a criação. A falta de entrosamento continuou castigando o Sport até os rubro-negros inverterem o jogo, por volta dos 20 minutos. Nesse instante, o lateral-esquerdo Mena apareceu em jogadas que poderiam ter sido traduzidas em gols para o Leão.

Após receber de Everton Felipe aos 22 minutos, o chileno deu ótimo passe para Paulo Henrique. De costas para a meta de Andrei, o atacante tentou de calcanhar, mas desperdiçou. Na melhor chance do Leão no primeiro tempo, Paulo Henrique voltou a falhar. Fabrício lançou Everton Felipe, que tocou para o meio da área. O dono da camisa 12 apareceu sozinho e, de frente para o gol, bateu de canela. A bola foi para fora.

No intervalo, o técnico Daniel Paulista conversou com o atacante. “Falei que perder gol acontece, é só de quem está lá. Pode acontecer com qualquer um. O que não pode é desistir e baixar a cabeça”, contou.

O conselho bastou para Paulo Henrique “desencantar” no jogo. Depois de voltar a perder uma nova oportunidade em um chute cruzado no começo do segundo tempo, ele deixou a sua marca aos 12 minutos. Em lançamento de Everton Felipe, o atacante cabeceou, Andrei deu rebote e ele escorou de direita para o fundo das redes.

CLASSIFICAÇÃO

O centroavante foi substituído aos 32 da segunda etapa por James Dean. Do banco de reservas, viu o jogo chegar ao fim com o placar em 1x0 para o Sport. O Leão atingiu 12 pontos no Estadual, assumindo a terceira colocação. O Belo Jardim, por sua vez, é o quinto, com quatro pontos.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Recife em Transformação Recife em Transformação
A cidade e o desafio de traçar o seu futuro
Zika em mil dias Zika em mil dias
Já se passaram quase 2 anos e meio desde que o JC anunciou a explosão de casos de recém-nascidos com microcefalia. Muitas dessas crianças já completaram os seus primeiros mil dias de vida. Famílias e especialistas revelam o que aconteceu nesse período
Logística e inovação Logística e inovação
Você sabe o que é logística? Ela parece invisível, mas está presente no nosso dia a dia, encurtando distâncias. Quando compramos uma maçã no supermercado, muitas vezes não nos damos conta do caminho que percorreu até chegar a nossas mãos

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM