Jornal do Commercio
Aniversário

No aniversário de 12 anos no Sport, Magrão vive madrugada de herói

Contratação do jogador foi anunciada pelo Leão no dia 20 de abril de 2005

Publicado em 20/04/2017, às 08h40

Aos 40 anos, Magrão segue consolidando a fama de grande pegador de pênaltis / JC Imagem
Aos 40 anos, Magrão segue consolidando a fama de grande pegador de pênaltis
JC Imagem
Luana Ponsoni

Já era madrugada desta quinta-feira (20) quando o goleiro Magrão voltou a fazer o que sabe de melhor com a camisa do Sport. Nas cobranças de pênaltis contra o Joinville, pelo segundo jogo da quarta fase da Copa do Brasil, em Santa Catarina, primeiro o arqueiro frustrou Fernandinho, depois Danrley. Justamente no dia em que o anúncio de sua contratação pelo Leão completa 12 anos, Magrão defendeu duas penalidades, viu a sua estrela brilhar e ajudou a classificar o Sport às oitavas da competição nacional. 

Na data especial, o arqueiro atingiu a marca de impressionantes 28 pênaltis defendidas pelo rubro-negro pernambucano. “Fico muito feliz com essa marca. Defender pênalti não é fácil e atingir essa marca é muito gratificante. Ainda mais com a camisa do Sport, um clube que eu me identifico bastante. Graças a Deus pude ajudar a equipe no jogo, que foi difícil”, comentou Magrão.

Após ter a contratação anunciada pelo Sport em 20 de abril de 2005, Alessandro Beti Rosa desembarcou no Recife um dia depois e nem imaginava que estava chegando para suprir uma grande lacuna abaixo das traves leoninas. O clube sempre teve a tradição de ter grandes goleiros, como Manoelzinho, Manga, Tobias, Emerson Leão, País, Gilberto e Bosco. Desde a saída desse último, em 2000, porém, nenhum jogador conseguia se consolidar na posição.

A partir de 2003, Maizena viveu grandes momentos, mas não chegou a justificar toda a tradição dos arqueiros rubro-negros. Magrão foi trazido para o Sport pelo então técnico Zé Teodoro, vindo do Rio Branco-SP. Depois de enfrentar algumas dificuldades no início da trajetória no Leão, o jogador se firmou e hoje ocupa o status de ídolo na Ilha do Retiro. O curioso é que ele já cogitava abandonar a carreira quando aceitou o desafio de jogar no Sport.




Galeria de imagens

Legenda
Anteriores
Próximas

 

ALTOS E BAIXOS

Antes de chegar ao Leão, dos últimos cinco clubes pelos quais os jogador tinha passado, apenas um havia honrado os compromissos salariais contraídos com o goleiro. Magrão passou pela Portuguesa, Botafogo de Ribeirão Preto-SP, Rio Branco-SP, Ceará, Fortaleza e retornou ao Rio Branco-SP. Apenas o tricolor cearense pagou o salário do goleiro em dia. “Em 2005, passamos seis meses sem receber. Ele já pensava em desistir, pois as dificuldades eram grandes, já tínhamos três filhos. Foi então que ele veio para o Sport e Deus nos ajudou nesse propósito”, relembrou a esposa de Magrão, Marylu.

No começo da carreira no Leão, porém, o arqueiro foi obrigado a passar por novo aperto financeiro. Em um momento de crise, o jogador teve o salário atrasado por três meses, a primeira e última vez em que isso aconteceu no Sport, segundo Marylu. “A gente gosta de honrar quem honra a nossa família. Naquele momento, o coronel Adelson Wanderley tirou dinheiro do próprio bolso e nos ajudou”, relembrou.

Nos últimos 12 anos atuando pelo Sport, o arqueiro que recém completou 40 anos já esteve em campo 644 vezes. Entre tantas partidas, tem a conquista de seis títulos pernambucanos ( 2006, 2007, 2008, 2009, 2010 e 2014), uma Copa do Brasil (2008), uma Copa do Nordeste (2014) e três Taças Ariano Suassuna (2015, 2016, 2017). Sem previsão para se aposentar, a meta de Magrão agora é conquistar mais títulos com a camisa leonina.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM