Jornal do Commercio
Diferencial

Consumidores mais exigentes estimulam construções sustentáveis

Certificação "verde" registra aumento de construções mais limpas no País

Publicado em 06/07/2015, às 06h15

Do caderno de Imóveis

Produções limpas e sustentáveis têm recebido destaque como diferenciais de venda. No Brasil, essa exigência dos consumidores vem pesando cada vez mais na construção civil, fazendo com que empresas repensem suas estratégias e recorram a certificações referentes ao respeito ao meio ambiente. Prova disso é o aumento de registro de edificações para receber o selo LEED, uma das mais importantes da área, concedida pelo Green Building Council Brasil.

Apenas no primeiro semestre deste ano, a ONG registrou 966 construções, grande aumento (86%) diante dos 135 empreendimentos de todo o ano de 2014. “Fazemos o registro e acompanhamos a construção. Quando a obra é entregue e inicia-se a operação, vistoriamos para avaliar se tudo atendeu aos cinco critérios exigidos para a certificação”, explica o diretor gerente do 6ª Greenbuilding Brasil, Felipe Faria. Esse evento acontece em agosto, em São Paulo, e é voltado para empresas do setor. 

Os critérios avaliados são o uso eficiente de energia e água durante a construção e funcionamento, o uso de material produzido com baixo impacto social e o baixo impacto no entorno do empreendimento.

“O consumidor mais consciente e informado sabe que o principal custo de um imóvel não é a compra, e sim sua operação. Se o comprador estiver na dúvida entre um imóvel certificado e outro não, ele vai optar pelo primeiro, que proporciona a diminuição de gastos operacionais”, defende Faria.

No ranking das certificações entregues no ano passado, Pernambuco ocupa apenas a 11ª posição entre todos os Estados brasileiros, com três certificados. A expectativa é que a Lei do Telhado Verde (Lei Municipal 18.112/2015), válida para o Recife, e iniciativas de algumas construtoras contribuam para melhorar o posicionamento do Estado no quadro nacional. De olho no diferencial que escolhas mais sustentáveis dão aos imóveis, a Vale do Ave comemora uma iniciativa inédita em seus empreendimentos: um transplante bem sucedido de um pau-brasil de 35 anos de vida.

Mesmo com o projeto já aprovado pela prefeitura, a construtora decidiu não derrubar a árvore plantada no terreno onde está sendo erguido o Edifício Camilo Castelo Branco, na Rua Amazonas, em Boa Viagem (Zona Sul do Recife). 

“Além de atender ao pedido do antigo proprietário do imóvel, que tinha uma ligação afetiva com a planta, vimos que o replantio iria valorizar o empreendimento. Infelizmente, muitas vezes recebemos os terrenos já descampados, mas estamos analisando repetir o procedimento em outros investimentos”, detalha o coordenador de obras da Vale do Ave, Filipe Buarque.

Considerada barata, a operação custou cerca de R$ 2 mil e, por ter sido realizada há quase um ano, a árvore já é considerada totalmente adaptada e começa a ganhar novos galhos. “O replantio pode ser feito com árvores de qualquer tamanho, desde que haja uma infraestrutura necessária”, garante a paisagista responsável pelo procedimento, Ana Lúcia Gonçalves. 




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM