Jornal do Commercio
Comportamento

Afetividade é determinante na escolha do bairro para morar

Sensação de pertencimento com determinados locais faz com que muitas pessoas não queiram se mudar para muito longe

Publicado em 30/07/2015, às 06h48

Particularidades como Parque da Jaqueira ajudam a reforçar sensação de pertencimento / Foto: Edmar Melo/ JC Imagem

Particularidades como Parque da Jaqueira ajudam a reforçar sensação de pertencimento

Foto: Edmar Melo/ JC Imagem

Do JC Online

Mais que preço, estrutura ou expectativa de valorização, a relação afetiva com um determinado bairro pode ser determinante na hora de comprar um imóvel. Seja pela história de uma vida relembrada ao passar por ruas próximas ou a identificação com o perfil da vizinhança, para muitas pessoas a mudança de endereço não significa ir muito longe.

Há pouco mais de três anos, o advogado Geraldo Pontes, 61 anos, decidiu trocar o apartamento próprio onde vivia com a família no bairro da Madalena, Zona Oeste do Recife, por um imóvel novo, no mesmo bairro, a um quilômetro de distância. “O nosso apartamento antigo só tinha uma vaga na garagem e não tinha área de lazer. O novo tem as duas coisas e fica ainda mais perto da área mais central do bairro, mais próximo de padarias e da Beira Rio”, explica. 

O interessante é que tanto o endereço antigo quanto o atual pertenciam ao bairro da Torre antes da lei municipal de 1995, que redefiniu os limites de vários bairros do Recife. E foi no bairro da Torre que o advogado nasceu e viveu até sua juventude e voltou a ter contato, mesmo que num endereço com nome diferente.

“Ainda tenho muitos amigos que moram aqui e minha família toda morava por aqui. Apesar de estar recebendo construções muito grandes, a Torre ainda é muito residencial, conserva algumas vilas, além de ficar perto do Centro, ter boa oferta de ônibus e um espaço para fazer caminhadas”, argumenta. Geraldo chegou a morar em Boa Viagem, em Olinda e nas Graças, mas garante que a boa localização e a relação afetiva com a área onde cresceu foram determinantes para não investir em outros bairros.

A compra de imóveis novos por moradores antigos do bairro é um comportamento já observado pelas empresas do setor de imóveis. Segundo o diretor executivo da Imobiliária Eduardo Feitosa, Roberto Rios, a maior parte das pessoas costuma iniciar a pesquisa por um novo apartamento nas redondezas do endereço onde vivem. “As raízes criadas com o bairro têm um peso muito grande. Ou pela história da pessoa ou para permanecer junto da família. Quando fazemos as nossas pesquisas de mercado, vemos que a maior parte das vendas se concentra entre moradores da área primária do empreendimento”, garante.

No caso da LMA Empreendimentos, a tendência vem sendo observada com mais destaque nas vendas do Edifício Aurora da Jaqueira. “Das sete primeiras unidades vendidas, seis foram compradas por pessoas que vieram a pé de suas casas para o estande de vendas”, exemplifica o diretor comercial da empresa, Bruno Melo.

Segundo ele, a localização foi determinante até para os clientes que não compraram com a intenção de mudar de endereço. “Hoje a região da Jaqueira tem o metro quadrado mais valorizado da Zona Norte e 80% das pessoas estão dispostas a pagar por essa localização. Tanto investidores quanto pais que compram para os filhos morarem no futuro”, garante o diretor comercial.

Um dos exemplos é a médica e professora universitária Patrícia Jungmann, que mora na Jaqueira há cerca de oito anos. “É um investimento que podemos moldar a muitas situações para a nossa família. Pode ser uma opção, caso os meus filhos queiram sair de casa, por exemplo. A Jaqueira é uma área muito boa, que dá muita tranquilidade às mães, oferece uma boa quantidade de bares para onde se pode ir a pé”, justifica a médica, que tem três filhos com idades entre 20 e 22 anos.

Patrícia já morou com a família em Piedade, em Jaboatão dos Guararapes, e Boa Viagem, na Zona Sul do Recife, mas garante que nesses locais nunca encontrou uma identificação semelhante à que tem atualmente com a Jaqueira. “Existe uma sensação de pertencer a um lugar. O bairro tem um charme característico, uma certa uniformidade, as pessoas se conhecem de vista, se encontram nos lugares”, ressalta, enumerando ainda o próprio Parque da Jaqueira e a grande quantidade de serviços disponíveis nas proximidades, não sendo necessário usar o carro.

Palavras-chave




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM