Jornal do Commercio
Tragédia

Menino morre após ser picado por escorpião e pais tomam veneno

O sepultamento dos corpos aconteceu na manhã desta quarta-feira

Publicado em 04/11/2015, às 15h40

O Centro de Toxicologia do Hospital de Base de Rio Preto atendeu a 118 pessoas picadas por escorpião desde janeiro deste ano / Reprodução Internet

O Centro de Toxicologia do Hospital de Base de Rio Preto atendeu a 118 pessoas picadas por escorpião desde janeiro deste ano

Reprodução Internet

Do Estadão Conteúdo

O menino José Lucas da Silva, 4 anos, que morreu após ser picado por um escorpião, foi sepultado na manhã desta quarta-feira (4) com o pai, Lucas Sanches da Silva, 40, no cemitério municipal de Ibirá, região norte do Estado de São Paulo. Lucas Sanches e sua mulher, Natália Fernandes Ballero, 29, tomaram veneno ao saber da morte do único filho. A mãe da criança continua internada em estado grave no Hospital de Base de São José do Rio Preto.

A tragédia familiar comoveu a cidade de 10,9 mil habitantes. Lucas era conhecido como uma criança alegre e expansiva, e o casal era muito apegado a ele. De acordo com o avô materno, José Manuel Fernandes Ballero, a filha havia comentado que, se acontecesse alguma coisa com seu "bebê", ela morreria junto. Nas redes sociais, postagens manifestavam solidariedade à dor dos familiares. "Não tenho ideia de sua dor, perdeu um irmão e um sobrinho! Que Deus tenha um grande significado para essa tragédia", postou Simone Requena Maielo em mensagem à irmã de Silva.

O menino José Lucas foi picado por um escorpião na segunda-feira, 2, quando a família estava reunida na chácara da família. De acordo com Cristiano Requena, tio da criança, o menino reclamou de dor no dedão do pé. Quando os pais descobriram que havia sido picada de escorpião, pegaram a caminhonete e o levaram ao Hospital de Base, a 45 quilômetros. 

A criança morreu na manhã de terça-feira, 3. Quando os pais souberam, ligaram para parentes e chegaram a comentar que, para eles, a vida tinha acabado. Os dois foram encontrados desacordados dentro do veículo.

O pai morreu depois de chegar na Santa Casa de Ibirá. Natália permanecia na manhã desta quarta-feira na unidade de terapia intensiva do Hospital de Base. De acordo com a assessoria do hospital, ela está sedada, respira com o auxílio de aparelhos e seu estado é considerado muito grave. Na Polícia Civil de Ibirá, o caso foi registrado como suicídio e tentativa de suicídio, mas a identificação do veneno ingerido pelo casal depende do resultado de exames.

Ataques

O Centro de Toxicologia do Hospital de Base de Rio Preto atendeu a 118 pessoas picadas por escorpião desde janeiro deste ano. Na maioria, os pacientes sentem apenas muita dor, mas o risco é maior quando as vítimas são crianças de até 12 anos, segundo a assessoria do hospital.

O veneno do escorpião amarelo é mais perigoso, pois age direto no coração, reduzindo os batimentos cardíacos. Suor excessivo é vômito são sintomas da gravidade da picada. Além do caso de José Lucas, houve outra vítima fatal na região: uma menina de 3 anos morreu em agosto, em Severínia.

Palavras-chave




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Recife em Transformação Recife em Transformação
A cidade e o desafio de traçar o seu futuro
Zika em mil dias Zika em mil dias
Já se passaram quase 2 anos e meio desde que o JC anunciou a explosão de casos de recém-nascidos com microcefalia. Muitas dessas crianças já completaram os seus primeiros mil dias de vida. Famílias e especialistas revelam o que aconteceu nesse período
Logística e inovação Logística e inovação
Você sabe o que é logística? Ela parece invisível, mas está presente no nosso dia a dia, encurtando distâncias. Quando compramos uma maçã no supermercado, muitas vezes não nos damos conta do caminho que percorreu até chegar a nossas mãos

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM