Jornal do Commercio
Distrito Federal

Área nobre de Brasília enfrenta racionamento de água

Racionamento no Distrito Federal e em Brasília atinge, até o momento, 1,8 milhão de pessoas

Publicado em 22/02/2017, às 22h51

Reservatório de Santa Maria está com 41% de sua capacidade (foto de novembro de 2016) / Tony Winston/GDF/Divulgação
Reservatório de Santa Maria está com 41% de sua capacidade (foto de novembro de 2016)
Tony Winston/GDF/Divulgação
Estadão Conteúdo

Depois das cidades-satélite, é a vez do Plano Piloto, área nobre de Brasília, enfrentar o racionamento de água. A decisão foi anunciada esta semana pela Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb) e começa a valer a partir da próxima segunda. O Palácio do Alvorada e prédios da Esplanada, no entanto, vão escapar da medida.

O racionamento de água teve início na segunda quinzena de janeiro e atinge, até o momento 1,8 milhão de pessoas. Com a extensão da medida, o racionamento deve afetar mais 557 mil pessoas. A interrupção do fornecimento vai ocorrer em um dia da semana. Nos dois dias que se seguem a essa medida, o fornecimento retorna gradativamente ao normal. 

De acordo com a Caesb, com as primeiras semanas de rodízio, houve uma redução da captação de água dos reservatórios em torno de 14%. O volume de águas está bem abaixo do que seria considerado ideal. Na barragem de Alto Descoberto, a capacidade é de 37%. Na de Santa Maria, que abastece as áreas que serão agora atingidas pela extensão do rodízio, 45% . Não há prazo para que o racionamento seja suspenso.

De acordo com a Caesb, a bacia do Alto Descoberto tem registrado, historicamente, um volume de chuvas de 669 milímetros no período que vai de setembro a dezembro. Em 2016, o volume de chuva medido na região, de setembro até dezembro, ficou em 516 milímetros, um pouco acima do volume de 2015, que foi de 450 milímetros.

De acordo com a Caesb, a Esplanada dos Ministérios foi poupada do racionamento para evitar prejuízos nas atividades públicas. No Plano Piloto, o consumo médio diário de água é de 345 litros por habitante. O maior consumo é registrado no Lago Sul, com 417 litros por habitante por dia.

Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM