Jornal do Commercio
vacina

Governo já negocia importação da vacina contra a febre amarela

O Ministério da Saúde iniciou tratativas com produtores internacionais sobre preços, doses disponíveis e cronograma para entrega

Publicado em 29/03/2017, às 09h06

O reforço nos estoques começou há duas semanas / Foto: André Borgres/Agência Brasília
O reforço nos estoques começou há duas semanas
Foto: André Borgres/Agência Brasília
Estadão Conteúdo

O Ministério da Saúde está negociando a importação de vacina contra febre amarela. Diante do pedido de reforço de doses por São Paulo e Rio, a pasta iniciou tratativas com produtores internacionais sobre preços, doses disponíveis e cronograma para entrega. "Não há uma compra fechada. Estamos fazendo pesquisas", disse o ministro da Saúde, Ricardo Barros. Ele admitiu, no entanto, que o cenário atual é bem distinto do apresentado há dois meses, quando as suspeitas estavam restritas a Minas e Espírito Santo.

O reforço nos estoques começou há duas semanas, quando o governo solicitou ao Grupo de Coordenação Internacional (GCI) - organismo que reúne Cruz Vermelha, Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), Unicef e Médicos sem Fronteiras - 3,5 milhões de doses do imunizante. Houve ainda a decisão de se suspender a exportação de vacinas.



O socorro do GCI representará um custo a mais para o governo. A vacina deverá ser vendida e o preço padrão é de US$ 1,3 por dose Se esse preço for mantido, significará 40% a mais do que o da vacina brasileira, R$ 3,03 (conforme preços do fim do ano).

Espírito Santo

Subiu para 37 o número de pessoas mortas por febre amarela no Espírito Santo. A última vítima é um homem de 65 anos, morador da zona rural de Cariacica, na Grande Vitória. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM