Jornal do Commercio
América do Sul

Argentina preocupada com crise política no Brasil

Segundo a chanceler argentina Susana Malcorra, o país quer que a crise brasileira se resolva o mais rápido possível

Publicado em 19/05/2017, às 20h03

A crise na política brasileira se intensificou após a delação de Joesley Bastita, que mostra o presidente Michel Temer (foto) apoiando a compra do silêncio de Eduardo Cunha / Foto: Agência Brasil
A crise na política brasileira se intensificou após a delação de Joesley Bastita, que mostra o presidente Michel Temer (foto) apoiando a compra do silêncio de Eduardo Cunha
Foto: Agência Brasil
AFP

O governo argentino acompanha com atenção o desenrolar da crise política no Brasil, especialmente preocupado com as consequências econômicas que possa causar a seu principal parceiro comercial, declarou nesta sexta-feira (19) a chanceler Susana Malcorra. "Desejamos que a crise se resolva o mais rápido possível pelo bem dos brasileiros. Sabemos que se trata de uma crise de questionamento do poder. No governo argentino estamos acompanhando isto minuto a minuto", disse Malcorra ao jornal Clarín no Japão.

A chanceler acompanha o presidente argentino, Mauricio Macri, em uma viagem pela Ásia. Malcorra admitiu que a crise brasileira pode complicar a recuperação da economia argentina, ávida por investimentos que tirem o país do atoleiro, após um recuo da economia de 2,3% no ano passado.



"Lamentavelmente", a situação no Brasil "pode nos afetar". Sobre o desenlace da crise que envolve o presidente Michel Temer, Malcorra disse confiar "nas instituições do Brasil", mas admitiu que "é um momento muito delicado".

Preocupação

Malcorra destacou que Macri "está preocupado pelo Brasil e pelos brasileiros". "Nosso vizinho, país irmão e sócio tem instituições suficientemente fortes para administrar esta situação. O Brasil tem ferramentas internas suficientes para resolver esta crise. Você não pode entrar em campo e se envolver de maneira apressada e prematura. Vamos ficar próximos e disponíveis, mas esta é uma questão interna do Brasil".


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM