Jornal do Commercio
MANIFESTAÇÃO

Protesto contra violência reúne artistas no Complexo da Maré, no Rio

O ato foi organizado pelo Fórum Basta de Violência! Outra Maré é Possível

Publicado em 25/05/2017, às 00h15

Durante a manifestações, jovens realizaram também um ato para denunciar a violência contra LGBTs / Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil
Durante a manifestações, jovens realizaram também um ato para denunciar a violência contra LGBTs
Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil
Estadão Conteúdo

Cerca de 250 pessoas participaram na tarde desta quarta-feira, 24, de um ato contra a violência no complexo de favelas da Maré, na zona norte do Rio. Os manifestantes fizeram uma caminhada pelas principais vias da comunidade, com faixas e cartazes em homenagem a moradores mortos nos últimos meses durante confrontos.

Além dos habitantes das favelas, participaram da passeata moradores de outros bairros e as atrizes Patricia Pillar, Camila Pitanga, Betty Gofman e Zezé Polessa. Os presidentes das 16 associações de moradores existentes na região também compareceram à manifestação.

O ato foi organizado pelo Fórum Basta de Violência! Outra Maré é Possível, que propõe uma discussão sobre a segurança pública na região. "Esta é a primeira grande iniciativa do fórum, que pretende discutir de maneira permanente a questão da segurança pública e violências na Maré", informou a entidade em convite para o evento.



Segundo o Fórum, em todo o ano de 2016 foram realizadas 33 operações policiais na Maré, com a morte de 17 pessoas. Em 2017, apenas nos três primeiros meses, ocorreram 14 operações policiais, além de sete dias de confrontos entre quadrilhas, que resultaram em 13 mortos e 16 feridos, dos quais três eram policiais e 26, moradores da favela.

Gastos

Ainda segundo a entidade, durante a ocupação do Complexo da Maré pelas forças de segurança, foram gastos quase R$ 600 milhões em 15 meses (de abril de 2014 a junho de 2015), enquanto o investimento da Prefeitura do Rio em programas sociais no conjunto de favelas foi de R$ 303 milhões em seis anos (de 2009 a 2015) - o que representa pouco mais que a metade do valor investido em medidas de segurança.

Durante a manifestações, jovens realizaram também um ato para denunciar a violência contra LGBTs, como publicou Camila Pitanga no Instagram.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM