Jornal do Commercio
REPRODUÇÃO

Zoo é escolhido para reprodução de girafas raras no interior de SP

Rothschild é a subespécie de girafas mais ameaçada de extinção do planeta

Publicado em 29/05/2017, às 16h52

Zooparque particular em Itatiba foi selecionado para conduzir no País um projeto mundial de reprodução / Foto: Kasper Palsnov/AFP
Zooparque particular em Itatiba foi selecionado para conduzir no País um projeto mundial de reprodução
Foto: Kasper Palsnov/AFP
Estadão Conteúdo

Um zoológico particular do interior de São Paulo foi selecionado para conduzir no País um projeto mundial de reprodução de girafas da subespécie Rothschild, a mais ameaçada de extinção no planeta. O Zooparque de Itatiba, na região de Campinas, recebeu um casal jovem da espécie de um zoológico da Áustria, na Europa. Com a chegada dos novos moradores, no início de abril, o local se tornou o único do Brasil a ter essas girafas. Bem adaptadas, os animais já se tornaram atração do zoo, que mantém mais de mil animais de 180 espécies.

Com menos de dois anos, o casal ainda não está em idade reprodutiva, que é de 4 anos para a fêmea e de 6 para o macho, mas já conseguiu uma "madrinha" para a futura união. Os jovens animais foram "adotados" pela girafa Ayana, uma fêmea adulta de outra subespécie, a girafa do sul, mais comum na natureza. Ayana está no zoo paulista há nove anos, emprestada pelo zoológico de Belo Horizonte (MG), mas não conseguiu parceiro apto à reprodução. De acordo com o biólogo Felipe Garcia, como as girafas são animais gregários, logo os dois exemplares jovens se aproximaram da girafa adulta, o que favoreceu a adaptação ao novo lar.

A transferência do casal para o Brasil foi precedida de uma série de estudos e procedimentos burocráticos. "Os zoológicos são ferramentas importantes para a conservação de espécies ameaçadas, pois fazem o intercâmbio dos animais, ampliando a possibilidade de reprodução em cativeiro", disse Garcia. O zoo de Itatiba tem contato com as instituições da Europa e o zoológico da Áustria e se dispôs a compartilhar o projeto de reprodução da Rothschild. Atualmente, todos os animais da espécie que vivem na natureza estão em áreas protegidas do Quênia e da Uganda, na África, mas a população não passa de 2,5 mil exemplares.



O transporte dos dois espécimes foi acompanhado por Frank van der Woude, especialista holandês em importação e exportação de animais. Como as girafinhas já nascem com mais de um metro de altura, não se pode esperar muito tempo para o transporte, já que, adultas, elas chegam a seis metros. Os animais viajaram por terra da Áustria ao aeroporto de Luxemburgo, do qual seguiram de avião até São Paulo. No zoo, foram cumpridas as medidas de adaptação ao novo habitat e à dieta, composta basicamente de ração, além de frutas e legumes picados.

O casal de girafas será transferido para um recinto maior quanto estiver apto à reprodução. A fêmea tem gestação de 420 a 450 dias e gera um filhote por vez. O programa decidirá o futuro das crias - normalmente os filhotes são destinados a outros zoos participantes do projeto. A direção do Zooparque pretende fazer um concurso via redes sociais para escolher os nomes das girafinhas.

Instalado no km 95,5 da rodovia D.Pedro I, o zoológico recebe visitantes, mas o foco principal é a educação ambiental, segundo Garcia. Entre os animais, além das girafas, destacam-se o rinoceronte branco, elefante indiano, tigre de bengala, anta, lobo guará e uma coleção de primatas. Entre as aves, o casuar de capacete e a harpia disputam a atenção com araras e corujas. Há ainda um acervo de répteis.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM