Jornal do Commercio
Rio

Prefeitura do Rio inicia obras para reabrir restaurantes populares

Restaurantes serão formados nos bairros de Bangu, Campo Grande e Bonsucesso

Publicado em 07/06/2017, às 22h47

Restaurantes populares serão reabertos no Rio de Janeiro / Foto: ABr
Restaurantes populares serão reabertos no Rio de Janeiro
Foto: ABr
Agência Brasil

A prefeitura do Rio de Janeiro iniciou as reformas dos restaurantes populares nos bairros de Bangu e Campo Grande, na zona oeste; e de Bonsucesso, na zona norte da cidade. Os equipamentos foram municipalizados após terem sido fechados pelas empresas que os administravam por falta de pagamentos do governo do estado. A previsão da Secretaria Municipal de Desenvolvimento, Emprego e Inovação (SMDEI), que vai administrar os restaurantes, é retomar os serviços a partir de julho.

De acordo com a prefeitura, as obras da unidade de Campo Grande, que estão sendo feitas pela empresa CD Empreendimentos e Construções, custarão R$ 145,7 mil. A empresa está à frente também da reforma do restaurante de Bangu, ao custo de R$ 146,8 mil. Já em Bonsucesso, a reforma é feita pela SR Serviços Especializados e Construções, com o custo de R$ 148,1 mil.

O primeiro restaurante que irá voltar a funcionar, segundo a secretária Clarissa Garotinho, deve ser o de Campo Grande, onde a obra está mais adiantada. A escolha dos restaurantes que serão reabertos levou em consideração a demanda local e a melhor disponibilidade dos espaços. A secretária informou que os preços praticados ao público antes do fechamento serão mantidos. O café da manhã a R$ 0,50 e o almoço a R$ 2. Por mês, entre café da manhã e almoço, devem ser oferecidas mais de 100 mil refeições nos três locais. “No almoço, por dia, em Bangu e Campo Grande serão servidas 2.500 refeições e em Bonsucesso 1.750 ”, completou Clarissa.

A secretária não afastou a possibilidade de a prefeitura fechar um acordo com o governo do estadual para passar a administrar outros restaurantes populares entre os cinco que permanecem sob a responsabilidade do Executivo fluminense e também estão fechados. Clarissa Garotinho ponderou, no entanto, que embora esta seja uma intenção, é preciso avaliar a situação financeira do município para avaliar se há capacidade de assumir os gastos.



Nos restaurantes que ainda estão fechados há ocorrências de saques em equipamentos e materiais de construção. Na unidade do Méier, na zona norte, até as telhas foram levadas.

“Existe o desejo nosso e do prefeito. O problema é que a gente só pode municipalizar com a garantia de que a gente vai poder reabrir. Então, estamos aguardando porque as receitas do município também não estão encontrando tanta facilidade assim. Por isso que municipalizamos e fizemos a programação financeira para esses três, para garantir o funcionamento deles. Daí em diante, estão sendo feitos estudos da arrecadação. Tem que esperar o quadro econômico para definir estas outras questões”, apontou.

Licitações

O Diário Oficial do Município publicou nesta quarta-feira (7) os resultados da licitação das obras de Bangu e de Bonsucesso. O processo da reforma do restaurante de Campo Grande já tinha sido divulgado em 31 de maio. Foi publicada também no Diário Oficial desta quarta-feira a regulação da cooperação técnico-operacional entre a SMDEI e a RioUrbe para acompanhamento e fiscalização das obras nos restaurantes.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

O Mundo de Rafa O Mundo de Rafa
Rafael foi diagnosticado com síndrome de Asperger apenas aos 11 anos. Seus desenhos contam pedaços muito importantes da sua história. Exprimem momentos de alegria, de comemoração e também de desabafo, de dor
Gastos dos parlamentares pernambucanos Gastos dos parlamentares pernambucanos
Os deputados federais da bancada pernambucana gastaram, no 1º semestre deste ano, R$ 5,1 milhões em verbas de cotas parlamentares. Já os senadores gastaram R$ 692 mil. Os dados foram coletados com base no portal da transparência da Câmara e do Senado
Um metrô ainda renegado Um metrô ainda renegado
São 32 anos de operação e uma eterna luta por sobrevivência. Esse é o metrô do Recife

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM