Jornal do Commercio
CORRUPÇÃO

Brasil se compromete com Panamá em compartilhar delações da Odebrecht

O Ministério Público panamenho abriu 24 investigações sobre o caso da Odebrecht

Publicado em 10/06/2017, às 12h25

O compromisso de colaborar nas investigações das propinas da Odebrecht no Panamá aconteceu através de uma reunião de
O compromisso de colaborar nas investigações das propinas da Odebrecht no Panamá aconteceu através de uma reunião de "alto nível" ocorrida no Brasil
Foto: Reprodução
ABr

As autoridades brasileiras reafirmaram seu "compromisso" e "vontade" de compartilhar com os seus homólogos do Panamá as delações do caso Odebrecht, após assinatura do convênio sobre o uso da informação, informou na sexta-feira (9) a Promotoria panamenha. As informações são da agência de notícias EFE.

O compromisso de colaborar nas investigações das propinas da Odebrecht no Panamá aconteceu através de uma reunião de "alto nível" ocorrida no Brasil com a participação da procuradora-geral panamenha, Kenia Porcell.

Ela foi recebida pelo vice-procurador-geral, José Bonifacio Borges de Andrada; o Secretário de Cooperação Jurídica Internacional e Procurador Regional, Vladimir Aras; e João Gabriel Morais de Queiroz, chefe de Gabinete da vice-procuradoria Geral.

Kenia Porcell também falou sobre como serão tratadas as assistências internacionais solicitadas pelo Panamá no caso Odebrecht, "atendendo as diretrizes de respostas, compromissos e deveres que ajuda o requerimento (das informações), que desde o dia 1º de junho são processados no Brasil", disse o Ministério Público do Panamá.



No mês de maio, a procuradora-geral ressaltou que o dia 1º de junho era a data a partir da qual "a reserva processual (no Brasil) sobe e colaboração internacional é reativada".

Isso, segundo com Kenia Porcell, significa que a Promotoria do Brasil começará a responder a assistência judicial feita por diferentes países, entre eles o Panamá.

INFORMAÇÕES

O Panamá, como mais de 20 de países, pediu informação para as autoridades brasileiras sobre a Operação Lava Jato. A Promotoria do Panamá indicou que os acusados de receber propinas da Odebrecht no país, entre os que estão dois filhos do ex-presidente Ricardo Martinelli somam 36 pessoas, das quais 22 são panamenhas, 13 brasileiras e uma americana.

O Ministério Público panamenho abriu 24 investigações sobre o caso da Odebrecht e sua atuação nas licitações de diferentes projetos executados desde 2004. 


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

O Hobbit - 80 anos O Hobbit - 80 anos
Como a maioria dos hobbits, Bilbo Bolseiro leva uma vida tranquila até o dia em que recebe uma missão do mago Gandalf. Acompanhado por um grupo de anões, ele parte numa jornada até a Montanha Solitária para libertar o Reino de Erebor do dragão Smaug
Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM